+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Sangue, suor, lágrimas, sorte…e recomeçar de novo

Nos últimos dias não conseguia deixar de pensar naquilo que é verdadeiramente determinante na nossa vida. Sempre pensei que a sorte era uma invenção dos fracos para justificar a sua falta de trabalho, persistência e determinação. O will power, estímulos pessoais, objectivos, metas era tudo quanto bastava para sermos bem sucedidos. Depois, bem, digamos que pensei melhor.

Sei que há pessoas que acreditam que até para nascer é preciso sorte: fomos o resultante daquele espermatozoide em concreto penetrar naquele momento certo o óvulo determinado. Custa-me acreditar que nascer seja um dos acontecimentos em que a sorte seja determinante e, sem querer deixar-me envolver noutro milhão de outros assuntos filosóficos e meta-fisicos, que a vida seja apenas uma boa conjugação de factos.

No entanto, deixar que a nossa crença na sorte seja o factor determinante do nosso quotidiano poderia levar-nos a acreditar que não precisaríamos de fazer nada para que o sucesso nos batesse a porta, entrasse e tomasse conta do nosso destino. Alias, quanto mais penso no tema, mais me apercebo que deixar a sorte comandar as nossas escolhas seria desresponsabilizar os nossos actos, esperar que o juíz fosse mero conselheiro e aguardar pacientemente que melhores dias chegassem, se assim o universo escolhesse.

Continuo num impasse, pois não consigo descobrir que proporção a sorte tem na nossa vida, tendo a certeza que só a força de vontade talvez não chegue para traçar o meu caminho. E porquê que isto se tornou tão importante? Porque ter 19 anos significa que os passos da nossa vida têm de ser dados, agora e já, rumo a alguma coisa certa. Pior é aperceber-me que esta urgência da sociedade vai-se agravando conforme os anos passam, por mim e por todos os outros, enclausurando-nos em lugares que não queremos estar, profissões que não passam de fardos e frustrações escondidas por sorrisos amargos.

É suposto saber o que vamos fazer da nossa vida profissional, ter sonhos a concretizar e um monte de outros “blá, blá, blá”! Mas, no agora e no já, tudo o que eu sei é aquilo que já me ensinaram, que aprendi aos bocadinhos ou que percebi depois de errar. Se ninguém me ensinou, deixou aprender nem já tive a possibilidade de errar, como vou saber o que fazer a seguir e os passos que DEVO dar? Impossível…a não ser que tenha muita sorte! E é aí que se encaixa esta conversa no meu cérebro!

Esqueçam a vossa sorte, o vosso trabalho e lembrem-se apenas da vossa obra-prima, o grande mapa que vos orienta, o destino que nasce connosco, qual estrelas qual quê! Com ou sem crises existencialistas, a verdade é que somos cada vez mais um trabalho inacabado que só é conseguido com sangue, suor, lágrimas e, sim, muita sorte! Mas isso não significa que, se lutamos por algo e até conseguimos atingi-lo, o nosso trabalho está concluído! Ainda não me conheço bem o suficiente, ainda não descobri o mundo e, definitivamente, não sei aquilo que acontecerá no futuro, mas uma certeza já tenho: eu vou mudar. Mudar para melhor, pior, progredindo, retraindo-me, tornando-me mais dinâmica, outras vezes mais introvertida, tudo conforme os dias, as horas e os segundos se passarem! Todavia, sei que não sou uma árvore que precisa de estar eternamente no mesmo sitio, crescendo na mesma direcção e que não tardará a perecer. Quero ir mais longe e se tiver que atirar a sorte ao chão, tentar 5x para ter o trabalho de sonho que desejo, mesmo depois de ter desistido duma carreira segura, duma casa espectacular e de muitos outros benefícios…sei que valerá a pena! Tudo porque me permite crescer, evoluir e não estar morta de espirito aos 60, 70 ou 80 anos. Não quero viver bem, quero viver maravilhosamente feliz e isso só se consegue com sangue, suor, lágrimas, sorte e um ocasional recomeçar de novo, desta vez, diferente!

Share this article
Shareable URL
Prev Post

O Carnaval da igualdade entre sexos na sociedade laboral portuguesa

Next Post

Entre a Utopia e o Paradoxo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Não sonhes

Não sonhes! Não sonhes, porque morres um pouco de cada vez que sonhas. Perdes tempo a sonhar com a vida que está…

Perdoar é ser livre

Sempre me perguntei o que era o perdão. As respostas que todos me davam rondavam sempre o “perdoar não é…