+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

S. Pedro, o santo pescador

Festejado a 29 de Junho é o patrono dos pescadores. Mesmo sendo menos popular que Santo António ou São João no que toca às festividades, é no seio da igreja que, do ponto de vista litúrgico, se lhe rende a maior importância.

Nasceu em Betsaida, uma povoação da Galileia, situada nas margens do lago Genesaré. A água foi o chamamento e em Cafarnaum, o porto mais conhecido daquelas paragens, exerceu a profissão de pescador.

Convidado por Jesus Cristo para o seguir, muda-lhe o nome para Pedro, aquele que seria a pedra basilar da religião cristã. Simão, o seu nome original, será o guia dos apóstolos e o primeiro da igreja, tendo pregado na Judeia, Galileia, Ásia Menor e Roma.

Companheiro e amigo inseparável de Jesus até ao seu suplício e morte no Monte das Oliveiras, resolve fugir na altura em que o seu mestre é levado. No regresso nega, três vezes, tudo o que lhe apontam.

Esta traição será a dor que transporta toda a vida, mesmo tendo sido perdoado por quem ofendeu. Foi Pedro que Jesus escolheu para visitar, em primeiro lugar, após a ressurreição e lhe falar de forma a acalmar a sua mágoa.

Em Antioquia, funda a primeira igreja e é preso por ordem de Herodes Agripa I, mas acaba por ser liberto por um anjo. Parte para Roma, cidade de que foi bispo e o primeiro papa, dando sempre a conhecer a obra de Jesus aos judeus.

Muitos e grandes foram os seus milagres, bem como o poder da oratória. Em cada palavra sua nascia mais um crente, o que assustava o poder vigente. É de novo preso, no reinado de Nero, onde converte e baptiza os guardas Processo e Martiniano e ainda mais quarenta e sete pessoas que estavam detidas.

Foi crucificado no ano 64, em Roma, de cabeça para baixo, a seu pedido, pois não merecia ser tratado como o seu Mestre, uma postura de humildade que o coloca como símbolo dos simples e dos trabalhadores.

É representado como um homem robusto, de barba curta e de meia-idade, vestido de papa mais, na maior parte das vezes, de apóstolo, alguém que o povo identifica como sendo da sua forma de estar.

Ergueram-se vários templos em sua honra. Alguns muito sumptuosos. O mais famoso de todos é a Basílica de São Pedro, em Roma, construída no reinado do imperador Constantino I e restaurada ao longo de mais de cem anos.

Sendo um santo popular, os seus festejos incluem bailes, procissões e ainda ofertas pelos serviços prestados. A sardinha assada, o copo de vinho e o balão, são símbolos que se preservam.

Na verdade, todas estas festividades estão enraizadas na Idade Média. As cantigas de amor, composições singelas e muito puras, de origem autóctone, revelam estes comportamentos. A poesia trovadoresca tudo regista.

A religião era a forma de fugir aos ritos de trabalho, ou melhor, de os aliviar e, por isso, os bailes serviam esse propósito. Assim sendo, tudo o que fosse para sair da rotina, era aproveitado ao máximo.

Hoje cumprem-se os mesmos trâmites, mas de modo bem mais descontraído. A música serve de base para o convívio com os amigos e o santo patrono há muito foi esquecido. Uma ingratidão que não lhe causa qualquer desconforto.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

“A Viagem de Chihiro”

Next Post

A superioridade da elegância moral

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Mal me quer

“Ou me fazes um broche ou vais já para a rua.” Foi assim que começou aquilo que Mafalda* descreve como a descida…

Samuel, o anjo da ponte

Quem tem de atravessar a ponte 25 de Abril sabe bem que pode ser uma tremenda carga de trabalhos. Com horários…

Uma história de luta

“Não tenha medo de denunciar injustiças, ainda que esteja em desvantagem. Não tenha medo de procurar paz, mesmo…