+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Roupas infantis: o drama, a tragédia, o horror!

A menina tinha uns 4,5 anos. Na sua gaveta de roupa interior, além das óbvias cuequinhas e meias, algumas das quais com bonecos de inspiração infantil, havia também um saiote e uma combinação interior.

Presumo que estão a pensar numa menina de tempos idos, de pele clara, corpete e uma saia armada, mas pasmem-se, isto aconteceu no fim dos anos 70, e o que é pior, comigo. Ainda hoje me pergunto – sem que o possa já perguntar a quem de direito (fui criada com os meus avós já falecidos), qual era a ideia, numa desajustada forma de vestir de uma criança. As transparências? Como? O contorno das formas? Ui, aos 5 anos, que formas tinha eu? Não sei, mas se na altura já me sentia um E.T, filme que viria a estrear um pouco depois, hoje a desadequação junta-se à incompreensão total. Agora há lingerie – para adultos – que se destinam a melhorar o cair da roupa exterior, corrigir a postura, ou afinar a silhueta, mas o tecido e a flexibilidade são outras. Não que eu use, porque de gordinha não passo, quando muito passaria a gordinha apertada.

Mas não sejam precipitados, o horror não acaba aqui. Na altura em que me apareceu o período, e à data, em fins dos anos 80, não havendo muitas opções de higiene menstrual, o espanto veio com aquilo que designaria de mini-fralda, larga e incómoda. E se pensam que não pode piorar, mais uma vez vos alerto que não sejam precipitados: havia uma coisa chamada cinta, essa peça altamente sexy que se destinava a evitar acidentes de fluxo. Melhor que isso só as cintas “calções de ciclista” duma determinada marca que fechou a fábrica em Portugal recentemente, que cheguei a ver em algumas senhoras. Conjuntamente com essas práticas, vieram os mitos de não poder lavar a cabeça, ou sentar em lugares frios, como muros ou pedras, ou mesmo comer gelados! Dogmas que não cumpri, talvez seja daí que advém o que sou hoje…

Recordo também, com algum desagrado, o facto de me terem posto a usar mala de senhora por essa altura. Porque uma mulherzinha tem que estar sempre preparada para as ditas surpresas mensais, tão irregulares nessa idade e porque – e esta mata-me- sendo alta, parecia mais velha e não ficava bem andar sem nada. Assim como não parecia bem eu, com 9 anos e 1,51m, andar nos baloiços… Hoje, quase nos 50, e com 1.71, continuo a andar de baloiço sempre que tenho oportunidade.

Claro que depois não houve muito mais a lamentar, que a idade impôs-se. No entanto, ainda me lembro duma saia de bombazine azul que adorava, mas que ficou com a bainha bem mais comprida do que pretendia: a questão conservadora e púdica aplicada a uma miúda de 12 anos. Danos colaterais de uma educação conservadora.

Lembrei-me disto no outro dia, quando na rádio perguntaram aos ouvintes quais eram os pavores infantis  vestimentares (como se diz agora na gíria dos conselheiros de imagem). E aí surgiu de tudo um pouco, as golas brancas que se abotoavam nas mais variadas blusas, as calças de flanela e as de bombazina, as collants grossas, os pullovers de losangos, a infindável sobreposição de malhas e casacos, e claro, as botas ortopédicas de alguns.

Nesse aspecto, tive também as minhas neuras: um vestido camiseiro azul, de um tecido que eu achava ser linho mas já não estou certa, que me picava, e umas calças de fazenda grossas que me causavam tanta comichão que cheguei a casa com as pernas negras de tanto coçar. E sempre odiei tudo aquilo que teimavam em pôr-me na cabeça, desde o velhinho passa-montanhas vermelho, em formação para burca, que só mostrava os olhos, e depois uma touca digna da Casa na Pradaria, azul escura, com cachecol ligado em vermelho e branco. Sofri mais com isso do que com as otites que poderia vir a ter…evidentemente que as crianças, até determinada idade, vestem o que lhe permitem. Mas podia ser em bom?!

Hoje os pais, avós, quem quer que crie as crianças, tem uma visão menos rígida sobre o tema, permitindo que as meninos e meninas já vão participando, dentro do aceitável, em termos de orçamento e extravagância, na escolha do que vestir. Eu própria tentei fazê-lo, respeitando a personalidade do meu filho e seus gostos. Em tempos fui comprar-lhe uns calções e dei-lhe a escolher entre uns verdes e uns azuis, mesmo preço. Fui criticada de imediato por um familiar mais velho, que prontamente me disse que não o devia fazer, que ele tinha é que aceitar o que eu determinasse, que a mãe era eu. Há coisas que nunca mudam… portanto eu obriguei o meu filho a escolher. E ele escolheu o azul.

Quando o meu miúdo nasceu, a enfermeira entrou no quarto e disse efusivamente: por favor mães, dispam essas crianças, não estamos no polo norte. E essa é uma tendência que as mães têm, de vestir demasiado as crianças. No outro dia li algo do género: “ Casacos são peças que as crianças vestem quando as mães têm frio”. E assim, eternamente, será.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Voluntariado: semente da mudança social

Next Post

The Fabelmans

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Nem Frida me Kahlo

Nem ferida me calo… Trago comigo este texto, de que me lembro de quando em vez, sempre que a realidade mo traz:…