+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Revolta na Bounty

Levei anos convencido de que As Vinhas da Ira havia sido o primeiro filme a preto e branco que vi, o que para mim até foi verdade, ainda que o primeiro filme feito a preto e branco visto em televisão tenha sido a versão original de Revolta na Bounty, de 1935, com Clark Gable no papel de Fletcher Christian e Charles Laughton como o sádico capitão Bligh.

Não recordo se os meus pais tinham ido jantar fora e a minha avó ficou a tomar conta de nós, ou se estávamos de férias com ela na Marinha Grande. Certo é que estávamos sozinhos com ela (e se foi na Marinha Grande, talvez só eu estivesse com ela). Era provavelmente o tempo em que só havia dois canais e por isso a televisão podia dar-se ao luxo de passar filmes bons a horas decentes. Naquela idade – nove, dez anos – não fazia planos nem estudava os horários dos filmes que a RTP oferecia: via o que havia e naquela noite de sexta ou sábado, transmitiam uma versão colorizada da aventura a bordo do navio britânico Bounty, que transportava fruta-pão pelo Pacífico, do Taiti até à América.

Mal sabia eu que estava a ver uma obra de um dos grandes realizadores dos primórdios do sonoro, Frank Lloyd, mas isso pouco importava naquela idade. O que me ficou, além do interesse contagiado pela minha avó (ela conhecia Clark Gable e E Tudo o Vento Levou, um dos filmes da sua juventude) foi a experiência maravilhosa que é ver um filme de aventuras, um bom filme de aventuras, género que andou décadas arredado da atenção dos grandes estúdios, somente recuperado no início da década de oitenta com Em Busca da Esmeralda Perdida e A Jóia do Nilo, e a série de Indiana Jones. Naquela noite, o imaginário das histórias de aventuras cruzou-se com a magia do fim da infância.

Não voltei a rever o filme, nem sei se o quero fazer. Talvez por saber o exacto lugar que ele hoje ocupa na minha vida, a importância que teve e o momento que ele evoca. Não é propriamente o medo de desfazer a magia mas uma vontade de “não estragar um acaso tão bem acontecido”. Contudo, não é algo que remova da paleta das intenções: se acontecer, será uma segunda visualização bem-vinda.

Além da alegria da minha avó, o que guardo dessa noite longínqua (mais de trinta anos!) é a surpresa de um filme do tempo dela ter prendido a minha atenção durante mais de duas horas!

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Mamma Mia! (2008)

Next Post

A juventude da mudança… e dos bolsos rotos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O outono tinha voltado

Taças de chá quente, de café com leite quentinho, com bolo acabado de sair do forno. O cheiro a quente. Uma…

A Cultura e os Jovens

Sou apaixonada por tudo o que é Cultura desde pequena. A Cultura é das coisas mais bonitas que existem no mundo.…

Caí aqui dentro

O meu coração abrandou. “Tum”. Espera. “Tum”. Espera. Não me consegui mexer. Senti-o a bater por última vez,…