+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Relatório do Interior

“No início, tudo estava vivo. Os mais pequenos objectos eram dotados de corações pulsantes, e até as nuvens tinham nomes.”

– Paul Auster, Relatório do Interior

Nestes tempos modernos, vários factores contribuem para o nosso desequilíbrio físico e psicológico. Falo aqui de desequilíbrio não como doença, mas como desgaste, inquietude ou alteração do estado normal.

Uma vez que a sociedade se encontra virada para a produção, o lucro, o imediatismo e a obsolescência programada, não é fácil resistir ao sentimento de que, como grãos de areia que somos, nos encontramos particularmente susceptíveis a ser esmagados pela velocidade, pela força, pelo passado e pelo futuro.

Os tempos livres que nos restam são passados online, a consumir todo o tipo de produtos e bens materiais ou coexistir em redes sociais falíveis, que vivem da conquista da aparência e do fictício.

No meio de tudo isto, temos de nos gerir a nós mesmos. E não se pense que os variadíssimos métodos que existem são recentes. Por vezes tornam-se “moda”, a new age dos anos 90, a mindfulness dos últimos anos, mas não são mais do que nomes diferentes para a mesma ideia base.

Desde o surgimento das grandes religiões, começando pelo oriente, e aliadas a sistemas de pensamento, o hinduísmo, o taoísmo e o budismo acabaram por sugerir métodos de concentração e de auto-conhecimento, levando os praticantes mais perto da verdadeira consciência, plenitude, realização e felicidade.

Com facilidade nos surgirá no pensamento a imagem de alguém na posição de flor de lótus, o que não é descabido, embora não seja obrigatório. O ioga (em sânscrito yoga, significando controlar, unir, concentrar) é utilizado hoje em dia não apenas por crentes, ou em contexto religioso, mas por pessoas por todo o mundo, para relaxar e meditar.

Por outro lado, as religiões judaico-cristãs utilizam há muitos séculos a oração, o silêncio e a contemplação como veículos de fé, mas também de conhecimento do próprio.

Finalmente, no século XX, como corrente de pensamento da psicanálise, Freud (re)desenvolve os conceitos de consciente/inconsciente: na nossa mente o “ego”, ou “eu”, é o fruto do combate entre o “superego” (regras e condicionalismos sociais aprendidos) e o “infra-ego” ou “id” (cujas pulsões seguem o princípio do prazer).

Voltando a uma maior simplicidade, para meditar é apenas necessário sentar-se e relaxar, sendo uma boa maneira de fazer uma pausa, desligar dos problemas externos e fazer uma espécie de sincronização entre nós próprios e o momento em que nos encontramos. É a altura em que descobrimos o nosso carpe diem e deitamos para trás das costas o control-freak que há em nós.

É, pelo menos, aquilo que senti, nas oportunidades que tive de meditar em conjunto. Fixamo-nos apenas na respiração, ouvimos e seguimos uma voz suave, por vezes acompanhada por música, e vamos até onde a mente nos levar. E é importante pensarmos que nos sentimos relaxados, não apenas física, mas também psicologicamente, tendo abdicado, por algum tempo, de tudo aquilo de que é feito o nosso dia a dia: pressa/pressão, controlo/descontrolo, organização/desorganização.

Não precisamos de controlar o futuro que não conhecemos, o presente que não dominamos, o passado que já aconteceu. Precisamos apenas de ser nós, e de nos descobrirmos nesse processo.

[box type=”info” align=”alignleft” class=”” width=””]

Pequeno jardim zen para relaxar:

“Bach with ocean sounds / Suite para orquestra nº3 em Ré maior BWV 1068”

Forest birdsong

[/box]

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Espelhos meus

Next Post

“Ralph VS Internet”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Pitch Perfect

Depois de nos contagiarem com um Ritmo Perfeito, em 2014, as Bellas voltaram e desta vez com um toque…

Bilhete para o Paraíso

Hoje vamos de viagem até Bali. Sim, ganhamos um bilhete para esse paraíso. Mas antes que eu comece a escrever…

Até amanhã

O Cristiano tinha enlouquecido, há muito tempo atrás. Há mais de dez anos. Tinha sido professor de história, um…