+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Quem te engana teu amigo é!

“Experience is not what happens to a man. It is what a man does with what happens to him.”

Aldous Leonard Huxley, Texts and Pretexts

Já vos disse que tenho os melhores amigos do mundo? Já? E se vos disser que, para além serem os melhores, são também os que perdoam todas as partidas que lhes prego?

Conheci o José há dois anos. Do centro do país, estava a trabalhar no sul. Uma grande amiga minha enamorou-se dele e passados seis meses de trocarem mimos, resolveram que estava na altura de se conhecerem. Eu tenho um sentido de humor retorcido, mas, quando me junto com a Marina, a situação mais normal deste mundo torna-se um verdadeiro segmento dos Monthy Phyton.

Um fim-de-semana de Páscoa, fomos até ao Sul do país, para que ela pudesse conhecer o galanteador. Chegámos tarde, cansadas da viagem e ele lá estava à nossa espera. Fizeram-se as apresentações, mas tive a nítida sensação que os seus cinco sentidos estavam completamente virados um para o outro, despertados apenas (principalmente ele, que ficou logo em sentido), quando calcei umas luvas de borracha e lhe disse que lhe ia enfiar um saco de papel na cabeça, para que não visse o percurso que íamos percorrer. Obviamente que me desmanchei a rir logo de seguida e lhe expliquei que estava a brincar, mas até hoje gargalho, quando me lembro da expressão lívida que o rapaz fez, do ar desconfiado e muito constrangido durante toda a viagem e do sorrisinho negro dela, com quem tinha sido tudo combinado de antemão.

A Marina e o José juntaram os trapinhos uns meses depois e, nessa altura, sendo-me ela muito próxima, comecei a ter mais contacto com eles como casal e percebi que o José era muito esquisito com a comida. No entanto, aquilo que mais me intrigou, era dizer que não gostava de queijo, não suportava sequer o cheiro, para de seguida o ver devorar fatias de pizza carregadinha de mozzarella. Dizia-lhe muitas vezes que, se comia aquele queijo, comia qualquer um, mas ele, teimoso como tudo, dizia-me sempre: “Nem pensar, e nem penses que me enganam, porque eu sei perfeitamente, quando alguma coisa tem queijo.” Foi neste momento que um grande defeito meu deu sinal de vida… É que adoro um bom desafio.

merengueNo Verão passado, combinámos um café em minha casa. O José trouxe uns licores que o pai dele costuma fazer e eu combinei com eles que fazia uma tarte. Estava a acabar de sair do forno, quando chegaram. Provámos os licores, tomámos o café e, entretanto, partimos a tarte, que estava muito boa, uma receita da Susana do No Soup for You, que alterei ligeiramente. O José adorou. Eu ria-me à socapa e a Marina percebeu perfeitamente que ali havia marosca. No meio de uma pausa para um cigarro, perguntou: “O que fizeste tu? Conta-me.” Ao que lhe respondi, com um sorrisinho perverso no rosto: “É melhor nem saberes…

A conversa entrou pela noite dentro, mas antes de se irem embora, disse ao José que, uma vez que tinha gostado tanto da tarte e que a pessoa com quem eu dividia a casa estava permanentemente em dieta, deveria levar o resto. Ao que ele acedeu imediatamente. A Marina ainda me disse antes de se despedirem entre dentes: “Seja o que tenha sido que lhe deste, é melhor que nunca digas, pois de contrário nunca mais irá provar nada que seja feito por ti.” Anui, mas não prometi!

Não consegui deixar a coisa passar. No dia seguinte, liguei para saber se estava tudo bem e perguntei à Marina se ainda havia tarte. Tinha acabado. O José não deixou nada, disse-me. Pedi-lhe para lhe passar a chamada. Falei um pouco com ele e disse-lhe para procurar papel e caneta, que ia passar-lhe a receita que ele tinha gostado tanto. Tive tanta pena, porque adorava ter visto ao vivo e a cores a cara do meu amigo, quando lhe disse que o ingrediente principal da tarte era… Queijo da Ilha.

Vamos às compras?

Para a tarte:

1 Base de massa folhada

200ml de leite

200 grs de açúcar

4 ovos

200g de coco ralado

100g de queijo da ilha

Para o merengue:

2 claras de ovo

50 grs. de açúcar

1 colher de café de creme tártaro ou cremor tártaro

1 colher de café de vinagre balsâmico

E agora preparar:

Ligar o forno a 180º.

Ralar o queijo.

Misturar os ovos inteiros e o açúcar com a batedeira, até obter uma massa líquida fofa.

Juntar o leite, o coco ralado e, por fim, o queijo ralado. Envolver bem. Colocar a massa folhada numa forma de tarte e espalhar o recheio.

Levar ao forno por cerca de 25 minutos, até a tarte estar cozida e dourada.Retirar do forno e reservar.

Para preparar o merengue, bata as claras em castelo, misturando o açúcar aos poucos.

Quando formar picos, misture o creme tártaro e o vinagre balsâmico e continue a bater até os ingredientes se misturarem. O merengue deve fazer ficar brilhante e formar ligeiros picos. Cubra a tarte com este preparado e leve de novo ao forno a 180ºC, durante 5 minutos.

As simple as that!

Notas:

  1. Creme Tártaro, ou Cremor Tártaro

Nos livros de Culinária antigos, este termo é referido muitas vezes, normalmente associado ao acto de bater claras em castelo, mas, pesquisando e lendo um pouco mais sobre o assunto, percebe-se que o mesmo tem muito mais aplicações.

Bitartarato de potássio, ou hidrogeno tartarato de potássio, de seu nome científico, é um derivado de um ácido orgânico (Ácido Tartárico), que se obtém de diversas frutas, nomeadamente das uvas, bananas e tamarindos. É um sal isento de sódio bastante utilizado na cozinha, principalmente em confeitarias e padarias.

Aplicação em alimentos:

  • Retarda a cristalização de caldas de açúcares e atua também como secante para rebuçados e suspiros.
  • Estabiliza claras de ovos, aumentando sua tolerância ao calor e o seu volume.
  • Reduz a descoloração de hortaliças, que passem por processo de cozimento em água a ferver.
  • Em combinação com o bicarbonato de sódio (o qual necessita de um ingrediente ácido para ativar-se), em formulações de “fermento químico”.
  • É também usado em combinação com cloreto de potássio para fabricar substitutos de sal isentos de sódio.
  • É um antioxidante natural.

Curiosidades:

  • Torna-se roxo ao ser colocado sobre chama directa, devido à presença do potássio.
  • Aplicado na indústria metalúrgica para limpeza de metais.
  • Segundo a Dr. Janet Starr Hull, cremor de tártaro é uma ajuda para aqueles que queiram deixar de fumar, pois, segundo ela, repõe o potássio que é roubado do sistema cardiovascular e regula o PH do corpo, que normalmente fica muito ácido, quando as toxinas do cigarro estão presentes.

Vende-se em farmácias ou em lojas especializadas em produtos para cakedesign.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

À Procura de Sana, de Richard Zimler

Next Post

Um Obrigado por dia não sabe o bem que lhe fazia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Estação Menina Bonita

E não é que a “menina” é mesmo bonita? Confesso que resisti bastante até decidir visitar este restaurante, eu…