+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Pequenos fragmentos

Hoje ocorreu-me pensar sobre a gentileza. Sobre a importância que ela se presenteia neste caminho que é nosso.

Ocorreu-me também pensar na dificuldade com que cada vez mais me deparo em pensar-me numa sociedade completa, imaculada, brilhantemente activa.

Existe esta enorme tendência de nos mostrarmos aos outros como maravilhosos, sábios, cheios de vida, adequados e com vidas perfeitas. A esperança (por vezes inconsciente) é que nos amem, nos aceitem, nos respeitem. Algures, numa infância lá longe, houve aquele momento em que percebemos que varrer para debaixo do tapete as birras e as trapalhadas seria muito mais aceitável do que mostrá-las por completo.

Somos muito mais bonitos, mais amados, mais acolhidos se nos portarmos bem, seja lá o que isso for.

Não faz mal, está tudo certo. Não há a necessidade inabalável de nos rebentarmos e aos outros com comportamentos hooligan. Este processo é assim mesmo. Há que perceber quais os limites de tudo.

No entanto, algo se perde. Caminhamos numa prisão interior, com bagagens cada vez mais pesadas à medida que o tempo passa. Continuamos a sorrir em personagens inventadas na esperança de que os outros nos aceitem. Perdemos-nos. Fragmentamos-nos.

E é tão mais difícil ser inteiro. Tão mais complicado mostrarmos-nos ao outro e admitir: “Ei, este ou esta sou eu, espero de verdade que gostes de mim. Se não gostares, deixas-me triste mas até entendo, mas sou eu, não há nada a fazer, aqui estou para aprender.” Não é tão mais livre pensar, sentir assim? Não existe uma certa delicadeza, uma gentileza muito maior?

É leve. A gentileza é, de facto, leve. É tranquila e generosa para com os outros mas é indispensável para nós mesmos.

Ao longo da minha vida tenho a certeza que o maior dos meus sorrisos ou actos nem sempre me trouxeram aprovação ou foram compreendidos. Na generosidade achei que os outros iriam amar-me mais, aceitar-me incondicionalmente. Fui aprendendo, aos poucos, que a gentileza em extrema demasia às vezes é sinal de egoísmo. Não vem inabalável de dentro, tem na sua essência sintomas prévios de aceitação por parte de quem a recebe.

Da mesma forma e também devagar, fui aprendendo sobre a gentileza. De conhecer-me, engendrar-me, reparar-me. De entender que por vezes o cuidador fica mais doente do que aquele de quem cuida desmesuradamente e sem limites.

Mesmo nessas estradas sinuosas que se vão percorrendo, a generosidade é arte da vida, mas a gentileza é base. É pavimento.

Com ela podemos mostrar-nos, assumirmos quem de facto somos. Perante os outros e acima de tudo perante nós.

Hoje vim falar-vos sobre gentileza. Sobre a nossa verdade, sobre as nossas inseguranças e sobre as nossas virtudes que são apenas nossas. A coragem de sermos nós e completos.

E lembrar-me a mim mesma nestas palavras que vos partilho: nada existe de mais simples e complexo que simplesmente se ser tal e qual como somos. Perante nós. Expostos aos outros. Completos. Em perfeitos fragmentos.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Vamos então falar de coisas sérias?

Next Post

São João, Santo bonito – versão 2019

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Acreditar

Acreditar ou não acreditar, não é a mesma coisa que ser crente ou ser céptico ou ateu. Não. Todos nós temos o…