fbpx
Bem-EstarLifestyle

Otimismo utópico

A cultura do sucesso foi, desde o início da consciência humana, um estigma que separou a sociedade em vencedores e espectadores.

Como uma espada sempre em nosso pescoço, cada atividade e desejos realizados são inevitavelmente analisados ​​quanto à possibilidade de sucesso. Alguém empreenderia um novo projeto ou se permitiria sonhar se não reconhecesse nele uma probabilidade mínima de sucesso?

No entanto, e felizmente, o significado de sucesso foi preenchido com diferentes interpretações. Não colocamos mais tanta ênfase em obter dinheiro, mas no equilíbrio saudável entre isso e nosso bem-estar.

O reconhecimento profissional e pessoal ainda é importante, mas começa a jogar com um novo conceito chamado felicidade.

O problema com isso é que a felicidade precisa de certas ferramentas para se manter à tona e em equilíbrio com os fatores mais frívolos de sucesso.

Como podemos manter níveis estáveis ​​de felicidade com a situação atual? O sucesso está ligado à quantidade de felicidade que ele gera em nós, mas este último também precisa da capacidade de enxergar o bem do caos, de resgatar nossos melhores votos em meio a tantos presságios apocalípticos.

Não é fácil, o otimismo tornou-se uma utopia onde poucos conseguem exercê-lo, mas como o fazem?

Helen Keller, escritora e ativista social americana (1880-1968), sofreu uma rara doença na juventude perdendo a visão e a audição. Ela, em uma de suas obras, expressou: “Otimismo é a fé que leva ao sucesso. Nada pode ser feito sem esperança e confiança ”.

No entanto, sabemos que nem tudo é simplesmente fé. Devemos, ao mesmo tempo, ser capazes de separar o otimismo da ideia de sucesso. Este último é apenas um resultado e sabemos bem que o caminho até ele, o que chamamos de processo, é o mais importante quando se trata de ser otimista.

Entender o triunfo como um processo nos afasta da espada do resultado e nos convida a continuar tentando, independentemente dos resultados. Consequentemente, evitaremos frustrações quando, por outros fatores, não atingirmos a meta.

O sucesso não é um fim em si mesmo, mas uma forma de pensar. É aí que entra o verdadeiro conceito de otimismo, o de processo. Se conseguirmos internalizar isso, o resto virá inevitavelmente para nós, mais cedo ou mais tarde.

Rodrigo Gonzalez

Advogado argentino que virou escritor nómada é criador do projeto "Terapia Nomade" que já leva 4 anos recorrendo o mundo. Apaixonado por viagens à boleia torna visíveis relatos de vida criando contos de pessoas incríveis a cada passo. Viajar para quebrar as estruturas sociais impostas, ter coragem e fazer da nossa vida uma história memorável, foi o mote que o levou a vender todos os seus pertences e saltar no imprevisível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.