+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Os primórdios do ensino em Portugal

Estamos no fim do ano lectivo e milhares de estudantes interrogam-se sobre o percurso a seguir. Uns pretendem frequentar a universidade, seguir um curso superior, outros enveredam por anos sabáticos e outros ainda terminam o seu percurso académico. Eu não defendo a obrigatoriedade do ensino superior, não sou assim tão purista, simplesmente entendo que se deve estudar e aprender. O conhecimento faz falta durante toda a vida e desenganem-se aqueles que pensam que o seu trabalho chegou ao fim. A vida real é uma constante aprendizagem e não dá tréguas àqueles que se forem encostando nas idades tenras. Quanto mais se avança na vida, mais complicado se torna reter conceitos e novas ideias.

Hoje em dia existem várias opções de continuidade: as escolas profissionais, os institutos politécnicos, as universidades e tantas outras situações que permitem uma posição na sociedade, um modo de ser útil e receber, em troca, os seus dividendos. Mas já parámos para pensar como tudo começou?

Na Idade Média apenas uma minoria frequentava escolas e a sua maioria destinava-se à vida eclesiástica, logo, foi a igreja a primeira a preocupar-se com a cultura dos seus membros. Assim, nos conventos e junto às sés surgiram as primeiras escolas que asseguravam os rudimentos de leitura e de escrita. Nas escolas claustrais, ensinavam-se as crianças que eram entregues, pela família, aos mosteiros, para serem seguidoras da religião. Aprendiam leitura, caligrafia, canto, música e aritmética. Tudo era ministrado em latim e o ensino funcionava à base da memorização e, posteriormente, discussão. Depois passavam à gramática, através das escrituras e do canto sagrado. Para complementar este estudo, durante as refeições, havia leitura de textos bíblicos, o que justifica a púlpito nos refeitórios. O ensino, curiosamente, era igual para os mosteiros femininos e masculinos.

Após os Concílios de Latrão, nos finais dos séculos XII e XIII, o clero secular era obrigado a ter escolas junto das catedrais e das colegiadas, onde o clérigo mestre escola tinha a função de ensinar, examinar, ler, cantar e emendar os livros de estudo, ou seja, compreender. A mais antiga escola episcopal existente no reino pertenceu a Braga que se tornou a mais antiga escola pública. A base do ensino era o latim e os livros estudados eram obras de fundo moralizante e pedagógico, como os Ditos de Catão. A ascensão religiosa efectuava-se através do conhecimento e das letras.

O desenvolvimento das artes liberais permitiu aos melhores alunos frequentarem outros cursos em universidades estrangeiras e na portuguesa, a partir de finais do século XIII. Estamos aqui perante o embrião do programa Erasmus, ainda numa vertente inicial. Quando se ausentavam para uma especialização, num determinado ramo do saber, tinham de se dirigir a Bolonha para o estudo do Direito, Montpellier para a Medicina, Paris para a Teologia e outras cidades idênticas com universidades.

Os portugueses foram de uma importância crucial no ensino universitário. Mestre Vicente foi professor de Direito em Bolonha e um dos braços direitos do rei D. Afonso II, Pedro Hispano, o papa João XXI, foi professor em Montpellier, um dos mais ilustres do seu tempo como médico e filósofo, Álvaro Pais e João das Regras, figuras emblemáticas da II dinastia, a de Aviz e grandes apoiantes de D. João I, foram igualmente mestres em Bolonha.

Os Estudos Gerais foram solicitados ao papa pelo rei e vários bispos e abades portugueses estavam interessados na sua criação para evitar a saída de dinheiro para o exterior. Em 1290 surgem em Lisboa, os Estudos Gerais, no reinado de D. Dinis, tendo sido posteriormente, transferidos para Coimbra.

Esta primeira universidade não teve um início muito agradável. Aliado à falta de rendimentos juntava-se um corpo docente pouco credível, sendo a sua maioria estrangeiros, o que levou à saída de alunos para as escolas fora do reino. De início ministravam-se aulas de Cânones, Direito Canónico, Leis, Direito Romano, Medicina, Gramática, Dialéctica e Artes, em geral. Acrescentou-se Música, Filosofia e Teologia. A língua não deixava de ser o latim, escrito e falado, tendo por base os textos de Aristóteles, Galeno e Hipócrates.

A universidade concedia os graus de Bacharel, com 3 anos de aproveitamento, de Licenciado, de 7 a 9 anos de estudo, de Mestre e Doutor, que ultrapassavam os 9 anos. O curso mais longo era o de Teologia que exigia 8/9 anos para o Bacharelato e o mais curto era o de Artes, cuja licenciatura exigia somente de 5 a 6 anos.

A questão que se coloca agora é outra. Consideram a vossa vida escolar difícil e extensa? Pois é altura de reconsiderarem tudo aquilo que pensam. Hoje não se aprende em latim, aprende-se na língua materna, o que para muitos ainda é mais complicado e os graus académicos são cada vez mais curtos, em termos de anos de estudo. Conseguem imaginar como seria a vida destes estudantes? Escolham a vossa. Boa sorte.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Quem decide o que vês? Tu ou o Google?

Next Post

Melhores 10 Filmes de 2016

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Confuso

Ano novo, the same all shit! O COVID por cá continua, onde já tem umas quantas variantes cujos nomes não me…

A Diversidade do Amor

O nosso planeta tem milhões de anos. E nos últimos 100 anos, este planeta viu a sua maior evolução, desde…

O que resta de nós

A prisão e os seus prisioneiros será sempre um tópico de exímia conversa. Muitas são as palavras que debitamos…