+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Os nossos Filhos

No início da semana, numa crónica muito divertida e satírica no P3, que já teve mais de 376 mil leitores, Susana Almeida Ribeiro escreveu sobre hábitos de pessoas com filhos, em contraposição aos de pessoas sem filhos. Rapidamente, o artigo foi partilhado pelas redes sociais, recolhendo muitas opiniões contra e a favor, quer do “ter filhos”, quer do “não ter filhos”. O que me traz a este tema não é tanto a crónica, que até achei divertida, mas sim o tipo de reacção que ela trouxe e o que me fez reflectir.

Não sou pai e não sei se algum dia serei, mas neste momento tenho diversas amigas que estão grávidas e vou tendo algum contacto com uma realidade que não me é assim tão conhecida. No entanto, ao ver muitos dos comentários e da postura de algumas pessoas, entendi um pouco melhor o porquê de Portugal ser um país envelhecido e com um enorme problema de natalidade.

Muitos de nós, nomeadamente aqueles que ainda não passaram pela maternidade, entendem-na como um fardo, como um peso, como uma responsabilidade acrescida que nos vai tirar a liberdade de podermos fazer uma série de coisas que até ali, teoricamente, eram normais. Vi em muitos comentários a frase “é por isto que não sou pai/mãe” e dei por mim a pensar que efectivamente, o problema, não está no ciclo natural que é ser pai ou mãe, mas sim na forma como olhamos a nossa própria vida.

No tempo dos nossos pais, que hoje estão na faixa dos 50-60 anos, assistimos a uma maternidade em idade jovem e assistimos também a muitos fins de casamento, precisamente, por sentirem que não aproveitaram os melhores anos das suas vidas, e, aos quarentas, praticamente passarem a viver uma adolescência tardia. Hoje, nós, na faixa dos 20-30 anos, somos uma geração marcada por um nível elevado de divórcios, ou de casamentos de fachada, de pessoas que não viveram. Hoje, nós, não queremos ser iguais.

Quando vejo os comentários e as partilhas, compreendo que olhamos a maternidade pelo nosso olhar do Ego, pelo olhar individualista que a sociedade instituída nos colocou durante séculos, e não pela bênção do gerar, amar, criar e educar um novo ser que pode fazer a diferença neste mundo, mas, principalmente, no nosso próprio mundo. Olhamos tudo com a perspectiva economicista da coisa, colocando logo inúmeros entraves e obstáculos, protelando a maternidade de forma a sermos pais tardios, porque nunca vai ser, realmente, o momento certo.

É o olhar que temos sobre a nossa própria vida que determina tudo o que somos e o que fazemos, nomeadamente o ter filhos. Saímos da escola e temos de ir para a Universidade. Saímos da Universidade e somos obrigados a procurar um trabalho que nos consome mais tempo do que o que conseguimos dormir. Com vinte e poucos anos não vamos querer assumir mais responsabilidades para além das que nos vão gerar o dinheiro que precisamos para as borgas e para as viagens, sendo que, muitas vezes, nem isso já é possível. O facto de sermos verdadeiros autómatos sociais leva a que o programa “Filhos” seja protelado para uma directoria escondida, esquecida e, muitas vezes, bloqueada do sistema.

Vejo, infelizmente, muitos pais e mães a culparem o facto de serem pais (sem se aperceberem que na realidade culpam mesmo os filhos) pela vida que não aproveitam, porque na realidade vêem a sua vida pelo olhar de uma sociedade que fala de natalidade, mas não a valoriza.

Verdade é que, se queremos fazer crescer a natalidade, temos de pensar numa perspectiva construtiva e co-criadora. Não podemos só contar com o Estado para nos dar subsídios disto, ou daquilo para alimentar as empresas que continuam a ter margens de lucro, muitas vezes, escandalosas. Passa também pela justiça nos valores dos produtos, das escolas e dos serviços ligados a crianças. Tudo é uma cadeia que precisa de mudar, mas, como sempre, o primeiro passo para essa mudança está em nós mesmos, na nossa mentalidade, na nossa forma de ser, de estar, no que acreditamos e no que temos para dar ao mundo.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Guilherme II – O último Kaiser

Next Post

Parole, Parole, Parole

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

As Lendas

Certas dores são tão perfurantes que teimam em doer e fazer sangrar. Os que nos morrem têm o condão de largar o…

A ciganita

– Não dá uma moedinha? perguntava ela na sua voz cantarolada, cheia de inflexões e continuidades. Eu sei…

Cubos mágicos humanos

Encontrei a Maria um destes dias, por casualidade. Perguntei pela mãe, que eu conhecera num outro contexto, e…