+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Os filhos dos outros

Como seguir em frente, quando um relacionamento amoroso chega ao fim?

E se criamos laços afectivos com uma criança que não é nossa, como fazemos para a esquecer?

A cineasta e roteirista francesa Rebecca Zlotowski ajuda-nos a responder a estas perguntas no filme “Os Filhos dos Outros”. Ao retratar este tema de uma forma tão genuína, permite-nos viver esta experiência no grande ecrã através das personagens que criou, das partilhas com as quais nos identificamos, e sobretudo nos emocionam.

Nas minhas pesquisas, descobri que este é um filme auto-biográfico, o mais pessoal desta cineasta, e foi escrito durante a pandemia.

No drama, Rachel (Virginie Efira) é uma mulher de bem com a vida, dedicada à família, aos alunos do liceu e aos seus hobbies. Quando se apaixona por Ali (Roschdy Zem), um homem recentemente divorciado e pai de Leila (Callie Ferreira), uma menina de quatro anos, envolve-se completamente, não apenas com o namorado, mas também com a filha dele. E os seus dias ficam ainda mais coloridos.

No início há leveza, cumplicidade e assistimos a um erotismo descontraído entre ambos.

Com a mãe biológica da menina em cena, Alice (Chiarra Mastroianni),Rachel vê-se ultrapassada em várias ocasiões, porque Leila é uma prioridade. Começa a pensar se este não é o momento de tornar-se mãe dos seus próprios filhos ou, aos 40 anos, abdicar definitivamente da maternidade e dedicar-se aos filhos dos outros.

O ambiente vai ficando mais pesado entre Rachel e Ali, à medida que se desenrolam uma série de acontecimentos. E ele acaba por voltar a viver com a ex-mulher.

No final encontramos (quase) todas as personagens num jardim. Rachel está com a sobrinha bebé, filha da irmã mais nova. Observa atentamente Leila, ao longe, com o pai Ali.

Os últimos momentos são envolvidos por uma música francesa que nos envolve e que podem escutar agora:

É um filme obrigatório, a não perder.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Antigo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

Portugal de duas rodas

Next Post

Transição energética: energia verde ou nem tanto?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

De olhos fechados

Eram sete da manhã. Estava sentado nos degraus gelados como a noite. Não tinha dormido nada. Impossível, quando…

Malta da Paz

Gosto de conhecer novas ideologias, novos conceitos de vida. Sou da opinião que só nos é permitido evoluir…

E o Óscar vai para…

Um dos eventos mais aguardados do ano, para os amantes da grande tela, é a entrega dos Óscares. Este ano, o…