+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

O que eu nunca te disse

Um dia disseste-me uma frase que até hoje não esqueci: que existem dias de tempestade e dias de pequena chuva. Volta e meia penso nela. Teimo, no meio da minha existência, em persistir numa busca diária de dias de sol. Também têm de fazer parte.

Seja em dias de sol ou de chuva não me esqueço de ti. Ser mãe ou pai é tarefa que não requer esquecimentos. Da mesma forma que é inconcebível deixar de amar um filho, por outra a melhor forma de sermos bons pais é também nos amarmos a nós próprios.

Se a sociedade se amontoa de regras e directrizes para nos guiarem na direcção de sermos bons pais e mães, não existe outra forma de aprendermos a não ser sê-lo na prática, todos os dias.

Por outro lado, nunca te disse que a parte mais difícil é a de manter o equilíbrio: entre ser justa e assertiva, autoritária e permissiva, mostrar-te que te aceito tal como és e que te vejo como um ser completo, com opiniões e mundo próprio. E que, por vezes, muitas vezes até, também se tem de fazer um exercício de humildade e pedir ajuda, nem sempre conseguimos fazer tudo sozinhos.

Olhamos para o lado e perguntamo-nos: estarei a fazer isto bem? Na altura que voares e procurares o teu caminho, vais me procurar, volta e meia, para aquele abraço? As bases que te dou, será que são suficientes? Estou a fazer de ti um ser humano porreiro?

Não sei o que distingue um pai e uma mãe de um não-pai e não-mãe. Sei que sempre te quis presente e agora és a melhor e mais difícil tarefa do mundo. Porque o amor que se sente é tão maior, que não cabe em espaço a definição de grandeza.

Sejam solteiros ou casados, independente da idade, o que cabe nesta tarefa maior do que qualquer outra são as noites mal dormidas, as pequenas proezas que contamos ao mundo inteiro (mas que na verdade só nós nos apercebemos da verdadeira piada), a gana de te defendermos se acharmos que há ataque, o coração a rebentar no peito quando nos apercebemos da verdadeira grandiosidade disto tudo.

E o tempo passa. Os dias se convertem em anos, as piadas e aborrecimentos de hoje convertem-se rapidamente em memórias. No amor mais desprendido de sempre. Porque, na verdade, nunca é nosso.

Digo-te algo em jeito de segredo: muitas vezes choro, porque tenho medo por ti, muitas vezes rio, porque me lembro das nossas alarvidades. Não sei se sou melhor ou pior que ninguém. Percebi que para ser melhor também tenho de te dar o exemplo e mostrar-te que tenho de ser feliz e lutar por mim.

Na verdade, o que eu nunca te disse é que todos os dias ao aprender a ser mãe, aprendo a ser muito melhor. Para ti e para mim.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Portugal, o bom aluno

Next Post

After Hours

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A coragem do altruísmo

O altruísta é um individuo com coragem e capacidade de revolucionar uma sociedade. Se nos apercebermos do mundo…

Momentos

A felicidade é um estado de alma, que nos deixa bem connosco e com o mundo. Ser feliz é permanecer mais tempo…

Olha como a vida é boa

Antes de reclamarmos do que não temos, que tal agradecermos pelas coisas boas que a vida nos dá e que tantas…