+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

O Poder da dor

Acordar e adormecer deviam ser atos simples, indolores e de grande paz interior. Deviam carregar em si simplicidade. Deviam! Mas sabemos bem que, infelizmente, para muitos, são atos profundamente dolorosos.

Tentar adormecer, em profunda ansiedade, é algo de tanto mas tanto esforço para quem, dia após dia, tenta lutar contra um batimento cardíaco que quase dá a sensação que o coração vai sair do corpo… Só se deseja que a noite passe rápido porque só o dia pode resolver, um pouco, a sensação de nunca se ter paz. Só o dia acolhe e reconforta. Por outro lado, tem quem sinta um peso terrível ao acordar… quase que custa a respirar. Como se acordar para viver fosse um sufoco tamanho como carregar a cruz.

No entanto, quando custa a respirar para adormecer, para acordar e, até, para viver algo está muito errado nas nossas vidas. Respirar devia ser leve e tranquilo. Quando assim não é, não há duvida que, fisicamente, o corpo está a dar-nos sinais claros e inequívocos que algo tem de mudar e já!

Pois é, mas nós somos peritos em autossabotagem e temos uma profundíssima resistência à mudança. Onde nos leva este caminho?! A um tormento diário! A ansiedade passa a ser a nossa melhor amiga mas, não fossemos nós prós no disfarce, aprendemos a conviver com ela. E, olhando para nós ninguém diria pois continuamos a ser divertidos, sorridentes, a esbanjar (in)felicidade e super “de bem com a vida”. Tudo mentira! Profissionalmente, mantemos o rendimento, o mesmo foco e interesse. Ninguém faz é a menor ideia de que, para isto acontecer, para a concentração se manter a mesma, o esforço é 5 vezes maior. Aliás, qualquer tentativa de compatibilizar ansiedade e concentração é mera ficção. Chega-se ao fim do dia exausto e, quando dormir parecia ser a solução mais reconfortante é, afinal de contas, o ultimo inferno do dia!

Mas afinal! Se se vive todos os dias nesta coisa “meio morta” porque é que se continua sem agir? Porque é que se continua a “empurrar com a barriga” a mudança? Porque é que se continua a fingir estar feliz em vez de, efetivamente, se escolher ser feliz? Por medo! Medo de falhar, medo do julgamento… O medo torna-nos tão imbecis que, por ele (pelo medo) até deixamos de querer ganhar. Ganhar uma vida além do cinzento “mais do mesmo”.

Mudar e, desengane-se quem acha que é coisa fácil, é duro e, em alguns casos, até heroico. Pelo meio, por vezes, perdem-se pessoas importantes, lugares, travam-se batalhas judiciais e ganham-se inimigos. Associada à mudança está, para mim, a frase que melhor a retrata: “Perdem-se umas coisas e ganham-se outras”. A minha opinião pessoal é que se ganha mais do que se perde. Afinal, se mudança significar voltar a ter energia para viver, a ter paz interior, a ter esperança e sonhos, a ter o reconforto da almofada e a pacificação da ansiedade… não restam duvidas que a escolha foi a certa.

É realmente muito difícil respirar um ar que não queremos e viver sem prazer em nada que se faça. Tem quem escolha tomar comprimidos. São ótimos a “adormecer” e camuflar a dor, mas são terríveis para a alma. E, cada dia que passa a fazermos isto a nós mesmos é mais um dia a viver sem vida e a viver a mesma vida que tão infeliz nos deixa. E, assim viverão… até morrerem sendo que, na verdade, mortos já estariam à muito.

Mas tem quem escolha viver sóbrio que, espero eu, seja a maioria. Quem vive sóbrio, sabe o impacto de, dia após dia, se sentir cada vez mais triste, cada vez mais dentro de uma vida que não lhe serve, e estas pessoas, por mais que adiem, vão acabar por chegar ao dia do “não suporto mais isto”. Ninguém aguenta estar infeliz muito tempo. Ninguém aguenta viver em ansiedade, sem dormir e com a vida em stand by. E, no dia em que a decisão é tomada, não existem forças contrárias que nos afetem ou afastem do nosso objetivo. Amigos e família que só nos atrasam e entorpeçam “as pernas” deixam de ser um problema.

A ansiedade é horrível mas pode ser um motor incontestável e fortíssimo para impulsionar à mudança! De tão mau que é ficamos sem opção senão mudar. Quer dizer… ou mudamos ou camuflamos, mas eu quero acreditar que estes últimos são uma ínfima parte do todo.

E, quando a mudança começa a acontecer, acreditem! A magia acontece! Porque fazer acontecer, porque sermos os comandantes da nossa própria vida dá-nos uma incrível sensação de invencibilidade. A ansiedade desvanece-se, dormir passa a ser tão tranquilizante que quaisquer 8 horas parecem curtas demais, passamos a conseguir respirar profundamente mas, acima de tudo, deixa de se viver no cinzento e os dias, mesmo que cinzentos, passam a ser azuis.

Mudar significa dar à vida o poder e propósito que lhe compete! E que não restem duvidas que a vida só tem um propósito: Fazer-nos felizes!

Rumo à felicidade que comece a mudança! Não tenho a menor duvida que no caminho, ligeiramente mais à frente, nos espera o tão desejado “felizes para sempre”.

E quem diria que seria a dor um excelente ponto de partida para sermos felizes?

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A Existência Etérea da Mulher Volátil

Next Post

Nenhuma seleção natural

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Homens VS Mulheres

Como diria Miguel Esteves Cardoso, “As mulheres sabem. Os homens pensam. As mulheres pensam que sabem. Os homens…