+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

O Exemplo

Portugal é um país pequeno e, dizem, de brandos costumes. Às vezes esses costumes são tão brandos que, ao longo do tempo, vão engrossando e fazendo uma massa que depois é difícil de reduzir, ou de tornar mais fluída. Para mim, esse é o principal problema da máquina política do Estado, nomeadamente na sua ligação com os partidos. No momento em que se discute na Assembleia, fervorosamente, o levantamento da suspensão do pagamento das subvenções vitalícias aos ex-titulares de cargos políticos, esta questão é algo muito pertinente de reflexão.

Em resumo, dois deputados, um do PSD e outro do PS, decidiram levar à Assembleia uma proposta de levantamento das ditas subvenções vitalícias. Deputados do PSD, em revolta, discordando dessa proposta de levantamento, conseguiram o adiamento da votação da proposta e tentam, por diversos meios, impedir que ela siga. O seu argumento é simples, esta acção é um erro, “um insulto”, pois representa muito do que tem afastado os portugueses da política. Eu concordo.

Em Portugal, desde há séculos, a classe política tem tido um conjunto de regalias que não se justificam para um país desde há muito tempo com problemas orçamentais e financeiros. Sim, é verdade que temos muitos palacetes, conventos e afins, mas teremos de os ocupar a todos com gabinetes, institutos e figuras do Estado? Será por uma questão de espaço, ou apenas por uma questão de ego? Ainda esta semana saiu a notícia de que o Presidente da República, Cavaco Silva, após o fim do seu mandato, vai ocupar profissionalmente um gabinete num antigo convento em Alcântara, que vai ser remodelado por pouco menos de meio milhão de euros e que vai servir também o Ministério dos Negócios Estrangeiros. O ex-Presidente da República, Jorge Sampaio, na remodelação do gabinete que ocupa, gastou 746 mil euros. São estas regalias, constitucionalmente aceites, que nos fazem olhar para o sistema político e desconfiar, duvidar e, cada vez mais, recusá-lo.

O problema não é destes, ou de anteriores políticos, o problema é de todos os anteriores e actuais, mas também de nós, enquanto povo. A política é reflexo de todos nós e, se nós, muitas vezes, preferimos poupar na saúde, ou na comida para ter um carro topo de gama, qual a nossa moral para exigir que os ex-políticos não recebam uma subvenção vitalícia, ou ocupem gabinetes de palacetes, conventos e afins? O exemplo tem de vir de cima, é verdade, mas quem os põe lá “em cima” é quem está cá “em baixo” e isso tem, obrigatoriamente, de nos fazer pensar.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Um Estágio é uma Pedra no Sapato

Next Post

Tempo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Caminhada

Nem sempre o caminho para chegarmos às coisas boas, é o melhor, mas acreditem que chegamos sempre lá. Seja ter…

Ainda a Grécia

Presidente russo e primeiro-ministro grego encontraram-se quarta-feira. No final da reunião, foi anunciado um…

Escolher o mal menor

A primeira volta das eleições presidenciais em França ditou que Marine Le Pen e Emmanuel Macron disputem entre…