+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

O declínio do rei da terra batida

Rafael Nadal o tenista nascido em Manacor (Maiorca) de 37 anos anunciou no dia 18 de maio de 2023 que vai falhar a edição deste ano de Roland Garros. The King of the Clay não conseguiu recuperar das sucessivas lesões que o têm impossibilitado de participar na maioria dos torneios dos últimos tempos e Roland Garros não foi exceção. A verdade é que o torneio parisiense é muito especial para o tenista maiorquino e muitos fãs ainda acreditavam que apesar das lesões, Nadal iria conseguir participar na edição deste ano. Desde que se estreou em 2005, Nadal conquistou 14 vezes o torneio de Roland Garros (nunca perdeu uma final), tendo apenas falhado 3 títulos ao longo das últimas 17 edições. Números impressionantes que fazem dele o tenista com maior sucesso em Grand Slam na terra batida de todos os tempos.

O tenista canhoto, sobrinho do antigo defesa central de futebol do Barcelona da década de 90 Toni Nadal, é um dos 3 tenistas a atingir a par do suíço Roger Federer e do sérvio Novak Djokovic a meta dos 20 Grand Slam na sua carreira. Grande rival e também grande amigo de Federer nas 2 últimas décadas, Rafael Nadal foi parceiro no jogo de despedida do suíço na Laver Cup em pares no dia 23 de setembro de 2022 em Londres. E se a emoção foi visível para jogadores e fãs da modalidade, muitos acreditavam que o tenista espanhol iria ainda continuar a abrilhantar os cortes de ténis por muitos anos ao mais alto nível.

O ano de 2022 até foi bastante positivo para o tenista maiorquino que ganhou dois títulos do Grand Slam e chegou aos 22 títulos ao vencer na Austrália e em França. Porém a decadência começou já neste ano, onde Nadal apenas participou em janeiro no torneio de Melbourne e foi eliminado na segunda ronda sem brilho e claramente debilitado fisicamente. Poucos meses depois anunciou de que não irá mais participar em torneios em 2023. A verdade é que com tantas lesões já poucos acreditam que Nadal possa fazer frente ao seu atual maior rival Novak Djokovic que aumentou para 23 os seus títulos do Grand Slam após ter vencido a edição deste ano de Roland Garros .

Nadal é um vencedor crónico de Roland Garros, mas este ano o torneio ficou refém do seu rei. E apesar de ter sido operado com sucesso no dia 2 de junho de 2023 a uma artroscopia ao iliopsoas esquerdo bem como a uma lesão antiga na anca esquerda, o tempo de paragem do tenista nunca será inferior a 5 meses. Por isso, 2024 será certamente a última hipótese de ver o rei da terra batida a dar uma última dança nos cortes de ténis, e quiçá ganhar o seu 15º título de Roland Garros.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Que sociedade?

Next Post

Os bolinhos de bacalhau da minha avó Rosa

Comments 2
  1. O ténis é um desporto muito exigente fisicamente, mentalmente e emocionalmente. Mais ainda quando falamos de um super atleta como Rafael Nadal, que ficará para sempre presente na história do ténis pelo seu gigante contributo.

    É perfeitamente normal que atletas deste tipo sofram com lesões, e com o passar da idade percam qualidades.

    O termo “Big Three” onde se inclui Rafael Nadal ao lado de Novak Djokovic, e Roger Federer; é usado para identificar estes três tenistas, considerando cada um deles, um dos maiores de todos os tempos.
    Roger Federer já finalizou a sua carreira, Rafael Nadal não terá muito mais pela frente, e Djokovic continua a mostrar o melhor do seu ténis, vencendo a última edição de Roland Garros, que não creio ter ficado refém da presença de Rafael Nadal, porque nos brindou com jogos épicos de uma qualidade de ténis inqualificável.

    O paradigma actual do ténis está cheio de potenciais talentos e de outros já vincados, como os jovens: Carlitos Alcaraz, Holger Rune, Jannik Sinner, Andrey Rublev, entre outros. Não esquecendo nunca o ténis feminino, repleto de jovem talento como: Iga Swiatek, Aryna Sabalenka, Elena Rybakina, Coco Gauff, entre outras.

    O Ténis actual respira talento, muito dele inspirado em grandes tenistas como Rafael Nadal.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Um mágico nas letras

‘‘Dentro de nós há uma coisa que não tem nome. Essa coisa é o que somos.’’ Há evidências que, por mais óbvias…

Os ardidozinhos

Os ardidozinhos são aqueles seres mais inseguros que acontecendo qualquer coisa não expectável ficam logo…

O clássico Matt Damon

Na 69.ª gala de entrega dos prémios da Academia, um jovem com cara de puto e cabelo à tigela ganhava o seu…