+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago

Um mês depois da morte de Fernando Pessoa, em novembro de 1935, chega a Lisboa, vindo do Brasil, Ricardo Reis.

Uau. Só… Uau.

Quando se abriu na minha imaginação a possibilidade de os heterónimos de Fernando Pessoa viverem além dele, a minha mente quase que explodiu. Adoro Fernando Pessoa, o génio louco. Gosto dos seus poemas, da sua obra, da sua história, gosto de que tenha vários heterónimos com vidas diferentes, dos tons de cada um, gosto de toda a parte espiritual e astral de Pessoa. Curiosamente, já me perguntei se gostaríamos um do outro, tivéssemos vivido na mesma época e nos tivéssemos conhecido.

Adiante.

Depois de vários amigos e conhecidos me falarem deste livro, fiquei cheia de vontade de o ler. Achei maravilhoso e perigoso que Saramago tivesse dado (mais ou nova) vida a Ricardo Reis, tivesse pegado num dos heterónimos e na sua história e decidido torná-lo personagem principal de um livro. Contudo, compensou. Eu, pelo menos, adorei.

Começamos com a chegada de Ricardo Reis a Lisboa, depois de saber que Fernando Pessoa tinha morrido, e com uma visita ao túmulo do seu amigo. Nesta hipótese, havia tanto de extraordinário que fiquei presa a partir do momento em que comecei a ler. Acompanhamos depois a nova realidade deste médico do Porto que retornava ao seu país depois de dezasseis anos no Rio de Janeiro. Os seus amores, aventuras e desamores, a dúvida quanto ao futuro, e a luta com a sua escrita, com os seus poemas. Fazemos parte de conversas literárias e filosóficas, de pensamentos bons e maus, de ameaças e falsidades, personagens típicas, caricaturas e outras únicas, atravessando as barreiras sociais. José Saramago dá-nos a possibilidade de visitar a Lisboa dos anos 30, os mesmos lugares que pisamos hoje, mas diferentes, os costumes e mentalidades, o permitido e o proibido, o que foi e o que permaneceu. Vivemos a política portuguesa e europeia da mesma altura – as invasões de Hitler, Salazar e a PVDE, as eleições espanholas e o começo da Guerra Civil em 1936. Saramago permite-nos não só ter um pequeno vislumbre deste heterónimo e do mundo de Fernando Pessoa, como também uma viagem muito realista e natural ao passado. Nada parece forçado – a linguagem parece adequada, a época viva, Ricardo Reis parece ser natural à pena de Saramago.

Há muito mais, claro: além de tudo o resto, há Fernando Pessoa, sim, ele mesmo. Há até Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, embora brevemente. Também há Camões, claro – a maioria da acção passa-se na Baixa. Não quero dizer mais, porque seria revelar demasiado, mas eu achei delicioso. E há tanto, tanto neste livro! E o final, oh, o final! Sim, já esperamos pelo título, mas o final tem tanto de simbólico… Gostei mesmo, mesmo muito.

Nunca tinha lido nada de Saramago (eu sei, shame on me!) e já tinha ouvido falar bem e mal da sua escrita. Sim, tive de ler com mais atenção, ver se seguia bem todas as vírgulas, todos os diálogos, todas as trocas, não é uma leitura tão fácil e intuitiva. Contudo, deparei-me com um Saramago cheio de humor, que conseguiu um livro espectacular, e que não me defraudou em nada ao escrever sobre este tema – que poderia ter corrido muito mal, ser muito falso, altivo. Não, nada, foi muito fiel a quem gosta de Pessoa, creio eu. Só tive pena de uma coisa: que os outros heterónimos (e semi) não tivessem feito mais parte deste livro, embora imagine que isso sim, ficaria demasiado forçado; o pouco que ele fala deles é o suficiente para tremermos de alegria. Gosto de pensar que se Fernando Pessoa lesse este livro, pensaria «é isto mesmo!».

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Filho ou carreira?

Next Post

Um cliente especial

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Laura (1944)

Na história do cinema, alguns filmes destacam-se como clássicos atemporais que continuam a cativar o público ao…

Conta Comigo

É um daqueles filmes que resultam, numa primeira impressão, porque a sorte assim o ditou, mas à medida que vamos…