+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

No teu corpo

Noite. Quarto de hotel usado vezes sem conta. Lençóis tão impessoais e muito frios. Almofada que apenas suporta um pescoço cansado. Paredes que sabem escutar. Ali já houve vida que se escudava ao repouso. Paredes que souberam ser mãos que amparavam o fulgor de verdes anos e dos desejos que não sossegavam.

Quantas vidas terão passado por aquele espaço? Será que houve tempo para conversas ou a ânsia do momento seria mais veloz que a fala? Corpos que se davam ser olhar nem querer saber.  Êxtases que se atingiam sem ligações que pudessem trazer memórias. Momentos apenas e nada mais. Sem ligações que pudessem ser incómodas.

Passou a mão pelo ombro. Ainda sentia o seu toque, o macio da sua mão e o odor da sua fala. Tudo tão presente como naquela tarde de chuva que se refugiaram no hotel onde se devoraram de desejo e de paixão. A chuva caía descompassada e eles, um dentro do outro, não se queriam apartar. Um ninho que acolhia e que apertava de conforto.

A química, ou magnetismo, era tão intensa como a trovoada que se ouvia por todo o prédio. O ribombar dos trovões, ritmado pelos arfares dos amantes, acarinhava aquele amor que se fazia sem tempo nem hora. Paravam e logo recomeçavam. A língua descia nos corpos, encaminhada por quentes saberes ancestrais, que percorriam estradas de prazer mudo.

Ali era o receptáculo de tudo, o início do mundo e a guerra que se fazia. Entre eles assinava-se o tratado de paz e o ênfase dado a cada passo, a cada toque, a cada respirar, tinha mais poder que armas de longo alcance. Era ali que se sentiam plenos e perfeitos. O porto seguro sem ser ninho.

Solidão. O quarto era o mesmo, mas faltava a luz que guiava, a acendalha que soltava a brasa a que permitia que o corpo perdesse o controle. Uma simples tarde e tudo mudou. Um contorno de corpo, uma atracção irresistível, um olhar que queimava. Tinha sido ali, mas agora o silêncio doía.

Fechou os olhos. Percorreu-se como se ainda tivesse a frescura da inocência na ponta dos dedos. Sentiu-se. Não como antes, mas, num esforço hercúleo, avistou tudo de perto. Eram os seus olhos que penetravam em si, tal como o seu corpo imaginava. Elevou-se e, por breves momentos, a dor amainou quando o vulcão se libertou em paz.

A sua cabeça tombou e o cheiro do corpo desejado, aquele obscuro objecto de desejo e de imenso prazer, repousou a seu lado com bonomia. Seria real ou o desejo, aquela brasa que ardia constantemente e enganava com umas artes e manhas de antanho? O amor não pode ser assim, nem a paixão.

Embalado no sono, reviu o corpo que o impelia, a brancura da pele, o colo convidativo, as nádegas desenhadas com rigor e tão atraentes que seria quase criminoso lhes resistir. Tocou-lhe. Primeiro com os dedos, depois com a língua e finalmente com a parte que se aproximava como um íman. Entrou. Uma vez. Outra. Mais. Tantas. Uma tarde que se fez noite e que tudo iluminou. Êxtases que não cansavam.

Acordou. Era dia. A almofada tinha o seu cheiro e sentia o sabor do seu sexo na boca. Umas mãos, muito doces e quentes percorriam-lhe a zona púbica. Estaria acordado ou a sonhar? Estremeceu. Um órgão quente aproximou-se de si. Uma flor aromatizada de desejo despontou. Ondas de suspiros pairavam no ar e línguas sábias chegaram aos destinos. Há sexos que se fecham e outros que se abrem.

O amor não se faz, nasce em cada pequeno gesto e toque. O sexo é de cada um. A paixão cresce de forma selvagem e intumescida. O beijo suave e tímido que se agiganta para selvagem, dá-se por prazer. O corpo é o templo do querer. O tempo deixa de o ser quando outros valores mais altos sabem como chamar.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Boa Bao

Next Post

Terão chegado os 4 Cavaleiros?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Espelhos

Ela não era das que agradavam a todos os espelhos, mas era feita de erotismo, de estranheza e de poesia. Ele…