+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Nem todas as baleias voam, de Afonso Cruz

Ainda só li três livros de Afonso Cruz, um deles que não apreciei muito, mas mesmo assim este autor já é um dos meus favoritos, mesmo. Para onde vão os guarda-chuvas e Nem todas as baleias voam são tão fantásticos que nem me lembro de que não adorei A carne de Deus. Aliás, quando penso nesse livro, só me vêm duas sensações: a primeira, de que não estava a adorar, esperava outra coisa, começou como uma leitura esforçada; e a segunda, de que me impressionei positivamente pelas conclusões, quando acabei e pensei nas críticas e no absurdo e ridículo que era muito do que o livro falava, e que acabou por não ser tempo perdido. Hmm. Estranho, porque é que me ficou mais marcada a primeira impressão? Bem, li-o há muito tempo, há quase dez anos, talvez precise de voltar a ele e reler com outro olhar e outra idade.

Adiante.

Há dois anos, Para onde vão os guarda-chuvas (sobre o qual já foi feito um artigo) atraiu-me. Quando li a sinopse, nem recordei que era do mesmo autor de A carne de Deus, e quando reparei isso não me afastou. Decidi voltar a ele. E apaixonei-me, mas assim, mesmo com muita força, ao ponto de querer roubar todo aquele livro para mim, não lhe mudar nenhum ponto, e querer que aquelas ideias tivessem saído de mim. OK… Isto não é amor, é inveja. Pois que seja. Inveja (da boa, porque espero que ele escreva livros encantadores durante muitos anos).

O mesmo se passou com Nem todas as baleias voam. Mas que livro lindo! A ideia que dá mote ao livro, que partiu de uma intenção verdadeira e real da CIA de ganhar a Guerra Fria através da música jazz, é o cenário perfeito para Afonso Cruz brincar com várias personagens, possibilidades e, acima de tudo, belezas. Um amante que perde a amada, um filho que parece perder os pais, pessoas que vêem o que outras não conseguem, dois agentes com um plano, uma prostituta que lê mãos, um livreiro fiel, um escritor misterioso, vizinhos bons, crimes, música, dor. Fogo, é que há tanta beleza neste livro! Frases lindas, teorias e pessoas encantadoras, diálogos e pensamentos subtis e surpreendentes, há o cruel e o triste e o mágico, há várias histórias dentro, e a fusão de tudo não é nada forçada, consegue ter uma harmonia tão, tão perfeita. Como uma música. Sim.

É um livro calmo que mexe tão profundamente connosco que nos torna irrequietos. Pode parecer estranho, mas senti-me mal-disposta depois de ler, como quando comemos muito, como se tivesse devorado coisas a mais para o pensamento.

Este livro não tem nada em comum com Para onde vão os guarda-chuvas – nem a voz, nem o cenário, nem as personagens, temas, nada… Nada, além da forma de escrever, da forma de nos transportar e das ideias originais e fascinantes. Penso que é a forma do autor estar na literatura – não são histórias que esperamos, que já lemos várias vezes partindo de perspectivas diferentes, daquelas que gostamos, que sabemos que a abordagem é original. É um livro calmo que mexe tão profundamente connosco que nos torna irrequietos.. São livros que parecem pequenos mundos.

A boa notícia é que Afonso Cruz já tem vários livros publicados e não parece que vá abrandar, por isso podemos continuar a surpreender-nos e a ver onde nos leva a sua extraordinária inspiração no próximo livro.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Figueiró dos Vinhos recebe o maior evento de conferências do mundo

Next Post

Pretérito Imperfeito

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Cartas de Guerra

Com a adaptação de D’Este Viver Aqui Neste Papel Descripto, de António Lobo Antunes, o realizador Ivo M.…