+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Museu do Louvre – uma visita é insaciável

Penso que a maior parte das pessoas já ouviu falar no museu do Louvre, situado no Palácio do Louvre, na cidade de Paris, França. Um dos museus mais visitados e famosos do Mundo.

Assim como a maioria das pessoas que conheço que já o visitaram, a opinião é a mesma que a minha. Uma visita não chega. O museu é tão vasto, colossal e repleto de tanta história, que é impossível visitá-lo todo num só dia. Infelizmente, apesar de já ter visitado a cidade várias vezes, por questões familiares, apenas visitei o museu uma vez.

Assim como a generalidade dos visitantes, não poderia deixar de passar a visita à Mona Lisa.

Para quem percebe pouco de pintura, a nível técnico, para mim trata-se de um quadro interessante e talvez surpreendente pela sensação de realidade que tive ao visualizar a pintura de Leonardo Da Vinci.

No entanto, não pude deixar de me deslumbrar com a gigantesca pintura que ocupava a parede branca em frente à Mona Lisa.

Entre a minha visita e os dias de hoje distam já doze anos e infelizmente já não tinha memória do nome da pintura, mas pude perceber, por breves pesquisas, que se trata da obra As bodas de Caná, do pintor Veronese.

A precisão da pintura, a conjugação das cores e os pormenores são impressionantes tendo em consideração que tem cerca de seis metros de altura e nove metros de largura, o que creio que deve ter sido desafiante para o seu autor.

É uma verdadeira ofuscação à famosa Mona Lisa, na minha modesta opinião de apenas observadora, mas a minha visita não se centrou apenas nas obras de pintores italianos.

Percorri também o departamento grego, etrusco e romano, no qual evidenciei esculturas de mármore, como a Vênus de Milo e Vitória de Samotrácia.

No entanto, o que mais me sensibilizou foram as antiguidades Egípcias, onde perdi a maior parte do meu tempo.

Desde esculturas, artefactos, esfinges, múmias, ferramentas, roupas a instrumentos musicais, nesta vasta coleção, é possível perceber um pouco ou imaginar a cultura egípcia.

Ver as múmias foi desconcertante, dado que, não deixei de pensar que se tratava de um ser humano morto, cujo corpo foi, por alguma razão, conservado após a morte.

Múmias que podem de igual modo ser visitadas em Portugal.

Perto do local onde vivo é conservado o corpo da aclamada pelo povo Santa Maria Adelaide, o qual se encontra numa capela dedicada em Arcozelo, Vila Nova de Gaia.

Desviando um pouco o foco do Museu do Louvre, segundo o Museu Nacional de Arqueologia, a múmia mais antiga do mundo foi encontrada em Portugal, no Vale do Sado, e data de há 8.000 anos.

Este Museu conta também com uma coleção de antiguidades egípcias que podem ser visitadas.

Seja em terras de Napoleão Bonaparte ou em Portugal, para mim, as idas a museus são sempre enriquecedoras.

Numa próxima visita a Paris, irei certamente visitar mais umas poucas de salas no museu do Louvre, e mesmo assim não conseguirei ver tudo.

Até lá, tentarei aproveitar a gratuitidade dos museus sob alçada do Estado Português aos domingos e feriados, durante todo o dia.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A beleza sente-se

Next Post

A física quântica não vai te salvar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Belo, pastor

– Pobres presépios de pastores despidos de gado. É que não deixaram nem uma ovelha, levaram-nas a todas. – Há…

Feios, porcos e maus

Num bairro de lata, numa zona altaneira de Roma, vive a família de Giacinto. Podia ser em Lisboa, já que as duas…