+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Mulheres que voam

Li esta semana um post no Facebook, de quem não sei o autor, que de alguma forma me tocou profundamente: a humanidade sempre teve medo de mulheres que voam. Sejam elas bruxas, sejam elas livres.

De facto, o que assusta nisto de ser mulher? Onde está todo este poder feminino e no que consiste, que tanto intimida, tanto mexe e que tão grandemente produziu dissertações e discussões ao longo da história? Qual a justificação para calarmos a voz das mulheres, ainda em pleno século XXI, um pouco por todo o mundo?

Sem dúvida que andamos um pouco perdidas nesta imensidão de papéis dentro da sociedade. É-nos exigido tanto, que nem sabemos por onde caminhar ou agir. O mundo continua doente de desequilíbrios.

A humanidade esqueceu-se que para a sua evolução todos os pontos fortes e limitadores são importantes, que homens e mulheres são complementares neste balanço global. Que de outra forma não avançamos como seres humanos e a própria vida fica estagnada, imersa em profunda desorientação.

Todos os factores que contribuem e engrandecem as mulheres são postos em segundo plano, muitas vezes pelas próprias mulheres. É sinal de fraqueza a harmonia, o estético, o detalhe, a generosidade, a preocupação, cuidar, acolher. O conhecimento e a independência financeira de uma mulher são sempre postos em causa: a demonstração de inteligência e a liberdade assustam. A liberdade sexual é questionada, quando ser livre implica o poder da escolha.

A força de uma mulher caracteriza-se em pleno voo. Na sua capacidade de ser. De se conhecer e de não ter medo de demonstrar quem é. De não recear assumir o seu lado feminino nas mil e uma tarefas que tem de cumprir, na aptidão de desempenhar qualquer uma delas, na obstinação de enfrentar o que quer que seja.

Já Osho afirmava que se em todo o mundo fosse dada liberdade às mulheres de desenvolverem o seu potencial, muitas seriam iluminadas e o próprio mundo beneficiaria com isso. Quantas Marie Curie existiram ou existem, sem que lhes fosse dada uma mínima oportunidade?

Bom seria que mulheres e homens se tornassem cada vez mais fortes e ambos desempenhassem, sem catálogos, o seu papel neste mundo. Excelente seria que ambos reconhecessem que a sua força também reside no reconhecimento que dentro de si existem qualidades masculinas e femininas que requerem equilibrar e transparecer.

Melhor seria que bruxas ou livres para voar, todas as mulheres se apercebessem que basta serem quem são. Basta serem mulheres. E olharem dentro de si com fé, confiarem na vida, reconhecerem que o que temos de fortes também temos de fracas mas que é na nossa capacidade de escolha que podemos avançar para uma maior clareza e sermos quem viemos ser.

Esta é uma das melhores formas de se poder voar.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

As novas fronteiras – Missão a Júpiter

Next Post

Por que é que os melhores alunos não querem ser professores?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Memórias

A memória é a [auto] consciência inserida no tempo. – Fernando Pessoa Do alto do dia de hoje, sob o meu…

Pensar Demais

Se olharmos à nossa volta, estamos rodeados de informação, estímulos e, muitas vezes, sujeitos a pressão.…

Amsterdão

Amsterdão, 2011 Estava a aproximar-se a data e lá íamos nós. Para quem a Páscoa não tem grande significado, uma…
Amsterdão