+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Moiras: o fio do destino

 Tinha de falar sobre elas. As Moiras. As Parcas. As senhoras do destino. Filhas da noite.

Com elas e através de quem me apresentaram no caminho, apercebi-me que as histórias têm o poder da cura. Ao longo de milhares de anos, oralmente e mais tarde, através dos meios que conhecemos hoje, as histórias têm o poder de nos relembrar, de nos curar, de nos guiar através dos caminhos da vida.

Aprendi também que os arquétipos, a mitologia e a filosofia se juntam e representam um meio de conhecimento interminável, girando como a roda da vida. Dão-nos formas de sermos melhores, de nos transcendermos e, sobretudo, de questionar.

Questiono-me. Questiono-me muitas vezes sobre as poderosas senhoras Parcas, que tecem o fio do destino na roda da fortuna, aquelas a quem nem os Deuses ousam questionar.

Cloto, que origina a vida, o intrincado fio de eternos renascimentos. Láquesis, que o mede e trabalha, que olha pelo papel de cada um de nós e pelas suas felicidades e desajustamentos. Átropos, que decide com precisão o exacto momento de cortar o fio da vida com a sua tesoura. São três as poderosas Moiras e ao mesmo tempo são só uma.

São elas que originam as nossas histórias, transversais ao tempo, que se tivermos a paciência e a ousadia de sentar e escutar, de absorver, de ler, poderemos nos guiar e identificar.

Entendemos que as histórias que ouvimos, desde o nascimento ao fim, são todas muito parecidas com as nossas. Olhamos com olhos de ver o facto de que caminhamos todos com os mesmos anseios e batalhas muito parecidas. Relembramos que sem corpo não se executam os anseios do espírito nem o conhecimento da alma e que sem a tentativa de elevar alma e espírito, o corpo também não nos serve para nada.

É de cada um o seu caminho. É da consciência de cada um apoiarmo-nos uns aos outros conforme caminhamos em contos.

Enquanto isso, as Parcas, sem se incomodarem sequer com os Deuses, fiam, desfiam, medem, esticam e enrolam os fios da nossa vida.

Não sei se existe um destino. Ou se à medida que a vida se desenrola o vamos criando, mas sei que somos responsáveis por ele. Por nós. Pelas nossas escolhas. Por fazermos dele e com ele o melhor que possamos.

Que se contem e escutem histórias novamente. As que sabemos, as que lemos, as que ouvimos, as que assistimos. Que partilhemos gostos e antipatias pelas personagens e nos emocionemos com os desfechos.

Ao ajudarmos nos nossos próprios renascimentos e dos outros, tudo fará mais sentido, o gosto será outro. Até que o fio da vida seja cortado.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Consciencialização alimentar

Next Post

O Outro lado da Moeda

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Os acasos não existem

Os acasos não existem. As pessoas não se procuram. Há almas que se reconhecem. Há corações que eternamente se…