+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Meditação

Falava há dias com amigas sobre este tema, de forma leve.  É que ainda há muitos que pensam que este é um daqueles assuntos do arco da velha, inatingível, só para alguns, hermético, para quem não tem nada que fazer, para quem é calmo… e por aí vão as suposições várias sobre este tema.

Se consultarmos um dicionário, ele vai-nos lançar sinónimos como “pensar sobre, considerar, ponderar, combinar, projectar, reflectir” e outros parecidos que apontam para uma vertente intelectual e operativa da mente. Está muito bem se a mente fizer isto tudo, pois uma mente saudável quer-se capaz de pensar, como um coração saudável bate ritmicamente, os pulmões inspiram e expiram o ar, o aparelho digestivo opera habilmente para fazer a digestão, e por aí fora…. o corpo é este relógio com ar de milagre que tudo faz sem nada fazermos. Uma mente saudável é uma mente que pensa. Uma mente que não pensa em nada não está bem, assim como um coração que não bate falha no seu propósito. A mente foi feita, ámen, para pensar.

A ideia de pensar em nada é já um contra senso! Se pensamos, pensamos em alguma coisa, pensar em nada? Se a mente está vazia, não estou a pensar; se penso, penso em alguma coisa! Essa história do sexo masculino se apregoar capaz de não pensar em nada tem muito que se lhe diga! O que eles podem fazer é desligar, cortar essa ficha que liga constantemente a nossa noção de Ser àquilo que nos passa na cabeça; eles sabem pensar sem que o pensamento tome conta deles! E assim, se calhar estão naturalmente mais perto desse estado meditativo que muitos apregoam longínquo e até impossível.

É bem verdade que hoje estamos habituados a receitas rápidas e resultados à la minute, daí a meditação trazer também algumas reticências. Claro que quem nunca fez, não se vai sentar de pernas cruzadas por uma hora a meditar!! Eventualmente nem dez minutos, nem cinco. Mas o propósito não será conseguir meditar, será tentar meditar. Sem objectivos, sem esperar  grandes resultados, dar-se apenas à experiência de ali estar, em presença.

São mais sérios os que dizem que não conseguem do que aqueles que apregoam desde logo vitórias e conquistas. Pois se num dia a dia em que vivemos a correr, com estímulos constantes, agressivos, exigentes, com relógios e obrigações e objectivos, de repente paramos e conseguimos desacelerar tudo em menos de nada? Não, mas também por isto precisamos de treinar fazê-lo. Quando a mensagem latente é de que somos melhores se fizermos mais, se atingirmos mais, se formos mais produtivos, importa vir a contraproposta de parar, de desligar, de virar para dentro, de estar, por breves instantes, imóveis, e, pelos critérios ocidentais e modernos, sem fazer nada. Até percebermos que este não fazer nada corresponde a uma demanda voluntária e intencional de estar presente em imobilidade e sem acção visível. A acção invisível corresponde a um treino de disciplina para a mente. Da mesma forma que trabalho o corpo físico e amavelmente depois lhe dou descanso, devo conscientemente fazer o mesmo à mente.

Os resultados virão mais tarde, e, para já, pouco importam. Serão mais doces do que se espera num primeiro momento, trarão ensinamento, mas para já só queremos treinar. Treinar a mente estar presente, a resistir ao chamamento do rol contínuo e encadeado  dos pensamentos. Os pensamentos estão sempre a vir e a ir, como o ar entra e sai dos pulmões, sinalizando a saúde e eficiência do nosso corpo. Mas eu não sou os meus pulmões, não sou o meu coração (embora…) e também NÃO SOU a minha mente. Portanto os pensamentos podem vir, que eu observo-os e largo-os de seguida, nem que seja por uns instantes, eu não trepo para o dorso dos pensamentos que me carregam sem o meu arbítrio como um pássaro que voa livremente pelo céu. Não vou. Fico aqui. Agora. A mente pensa. Eu não penso, por agora, com ela.

Claro que inicialmente serão mais as vezes que não o consigo fazer do que as que consigo. E isso é o estado previsível das coisas. Não é uma incompetência. Requer treino. Repetição. E sobretudo compreensão de que o grande bem que faz não está no efeito imediato mas na perseverança, na tentativa repetida e desapegada dos resultados. Lida-se com a frustração, com o desconforto, com ânsias em sair dali. E tudo isto acontece antes sequer da pessoa meditar.

Praticar a meditação, neste primeiro estágio, não é não pensar em nada – lembremo-nos que uma mente saudável é também avaliada por essa capacidade de encadeamento lógico e criativo. Meditar, como se diz, é apenas sair do grilhão da mente para simplesmente observar o pensamento sem nos deixarmos envolver. Observá-lo a vir e a ir sem nos empoleirarmos nessa teia infinita que se constrói sem intervenção da nossa vontade, como se os pensamentos fossem carruagens de comboios onde o sujeito entra sem sequer saber para onde vai. A meditação é um convite para ficarmos a ver os comboios passar. Só por uns instantes.

Nestes cinco minutos, e só por cinco minutos, eu treino a observação do que me vai na mente. Amanhã tento outra vez. E fica mais claro perceber que o Eu que sou não é a mente que pensa.

Vou-me esquecer agora, para me lembrar amanhã outra vez.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Um dia a sorte bate na porta!

Next Post

Ode ao Sabor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O fim do Amor?

Breve texto este o meu de hoje mas que serve mais de reflexão do que outra coisa qualquer. Sobre as notícias que…

Fluxo de Vida

Viver em fluxo é o estado natural do ser-humano e envolve ingredientes como a confiança e a fé. Se eu vivo…