+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Liberdade

Liberdade, em nome desta preciosa e tão doce palavra, têm sido praticadas as maiores atrocidades. A capa é de cor difusa e sem tom certo para colorir. Alguns pincéis são estranhos e agarram a tinta sem ardor. É preciso alma para entender que a liberdade não se consegue aprisionar.

Quem mais dela fala é quem mais a aperta. O foco é universal e não particular. A conhecida frase “a minha liberdade acaba onde começa a dos outros” tem ficado arrumada em armários bolorentos e esconsos. Liberdade é ar e som de asas que sabem bater em uníssono.

De que cor se pinta o céu? Da mesma cor que a liberdade voa e acaricia quem a sabe amar e preservar. O mar, que se abraça com o céu e beija o sol, delicia-se com a sinfonia de tons e da paleta infinita. Ser livre é poder sonhar e ter o sabor de o concretizar. Sem castrações.

A que sabe a liberdade? A um doce que nunca amarga e que se revela tão sedutor, pois a sua atracção quebra todas as defesas de quem lhe quer resistir. Liberdade é amor e este, como se sabe, não se consegue explicar, vive-se. Amor é dor que se anseia, mas por quem que se luta para não terminar.

Quem esteve privado deste tão raro bem, seja de que forma for, anseia por ar, por céu aberto e cores que se possam pintar. Os carrascos até podem roubar a liberdade, exímios nas tarefas de tirar, mas jamais serão capazes de toldar o pensamento e a vontade de a ter para não mais largar.

Frescura de viver, opções por fazer, escolhas, as certas e as erradas, mas todas possíveis de acontecer, são facetas que a liberdade oferece e não espera embrulhos nem prendas de volta. É completamente despojada e liberta-se das constantes e inúteis ofensas que lhe possam dirigir.

As grilhetas não conseguem ser colocadas em quem não as aceita e tudo faz para se libertar. Por mais força que tenham, o apertar dá todo o combustível para se libertar. Não se pode aprisionar o vento nem a vontade. É livre só por o ser. Tal como a liberdade.

Quem quer agarrar estrelas? O céu fica perfeito com as luzes que emitem, os mil e um cenários que conseguem oferecer e todos os tons que a luz, vestida de um claro e leve vestido de uma cambraia de sonhos, espalha em seu redor. Liberdade, que som de encantar…

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Abril… até quando?

Next Post

Crónica Feminina

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O que importa

Que bom seria se apenas os cheiros tivessem importância. Um cheiro doce e delicado, outro mais agreste, mas…

A Praia das Mulheres

Por algum milagre que nem me atrevo a questionar, nas duas primeiras semanas de Outubro esteve um tempo…