+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

“Leme”, de Madalena Sá Fernandes

Leme, de Madalena Sá Fernandes, é um mergulho no esconso da alma

Regressar ao passado para explicar o presente e construir o futuro.

”No seu funeral, a ex-mulher dele, a última, abraçou a minha mãe, a penúltima. As duas choravam muito. Ela disse-lhe ao ouvido: «Era um filho da puta.»”

É assim que começa o primeiro livro de Madalena Sá Fernandes, Leme, publicado pela Companhia das Letras, em março de 2023, uma das obras candidatas ao Prémio Livreiros Bertrand para Autores Lusófonos.

A narradora viaja até à sua infância e adolescência para relatar episódios fragmentados, vivenciados durante os doze anos em que coabitou com o companheiro da mãe, um agressor físico e psicológico, e o impacto no corpo e na alma das duas mulheres.

A leitura é rápida, porque os capítulos são muito curtos, num registo de escrita seco, incisivo, sem poesia, quase sem emoção, como se a autora-narradora quisesse distanciar-se da história, logo de si. A aparente pouca profundidade deve-se ao facto de a protagonista não contar a história da sua vida, mas a sua história de vida com o padrasto. É ele o foco das memórias que se alongam no tempo e no espaço.

Uma autobiografia ficcionada cheia de metáforas. O título refere-se a este homem, que orientou a vida desta mulher, durante muitos anos. Mas o leme também é ela, uma criatura pequena e frágil, navegando em mar alto, por entre a tempestade. Ela, o homem do leme, que enfrenta o mostrengo Adamastor. Há, também, as caixas que a acompanham e os objetos que se tiram lá de dentro, memórias, local de abrigo.

O enredo, praticamente inexistente, é substituído pela ambiguidade das relações entre as personagens: o casal, mãe e filha, enteada e padrasto. Entre todos perpassa o ódio e o amor, a raiva e a compreensão, a cumplicidade e a distância. A emoção da história plasma-se, sobretudo, na ambivalência de sentimentos da narradora pelo padrasto. Embora ela tenha medo da noite, que traz a imprevisibilidade, da força dele, dos urros que se soltavam do seu corpo, na madrugada, orgulhava-se e enternecia-se por ele lhe forrar os livros, sem deixar bolhas, lhe tratar as feridas dos joelhos ou lhe cortar as unhas. É nesta dualidade que vive, pela qual se culpabiliza. Mas é na catarse da escrita que redime essa culpa e revela a coragem de segurar o leme da sua vida.

Os homens têm medo de que as mulheres se riam deles. As mulheres têm medo de que os homens as matem.

Margaret Atwood

A intertextualidade é, recorrentemente, convocada, para explicar como os livros a ajudaram a compreender o padrasto e a refugiar-se na ideia de que o que vivia era só mais uma história. As citações referem-se ao universo da violência e da superação de traumas.

Escreve de forma dura e clara sobre o que dói.

Hemingway

Se experienciou uma situação idêntica, deve ler este livro para desmistificar a culpa que, muitas vezes, as vítimas se atribuem por não sentirem apenas ódio pelo agressor. Se nunca teve contacto com esta realidade, deve ler o livro, porque a violência doméstica, mesmo que não seja visível, mora ao nosso lado.

A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.

Jean-Paul Sartre

“Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico”

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Qual a cor da liberdade?

Next Post

Back to Black

Comments 19
  1. Paula, artigo premente para quem ainda não conhece a coragem e lhes falta bravura em denunciar situações que, infelizmente continuam a existir na sociedade. Este livro, lido também por mim, e num sopro, é a prova disso. Grata por tão brilhante análise. A Madalena iria gostar de o ler!

  2. Artigo premente para quem ainda não conhece a coragem e lhes falta bravura em denunciar situações que, infelizmente continuam a existir na sociedade. Este livro, lido também por mim, e num sopro, é a prova disso. Grata por tão brilhante análise.
    A Madalena iria gostar de o ler!

  3. Não li o livro ainda, lerei certamente.
    Fizeste uma análise bem detalhada, e que puxou a curiosidade do leitor sobre o livro em si, e sobre a escrita da autora.
    Pelo que vejo, ele é uma narrativa agressão e sentimento de culpa do agredido.
    Adorei

    1. Não encontramos o síndrome de Estocolmo, mas esta será, provavelmente, a realidade de muitas vítimas: nem só ódio, nem só admiração.

  4. Li este livro de uma rajada. De imediato, o guardei sem pensar mais nele. Não me tinha “agarrado”. Mas, ao ler esta interpretação da Ana Paula Campos, senti que não dei hipótese ao livro. Vou reler, com calma , imbuída das palavras que agora ressoaram em mim. Obrigada. Espero ler mais opiniões, desta vossa colaboradora, sobre outros livros. Vou seguir atentamente.

  5. Li o livro, que não me prendeu o suficiente. No entanto, o tema que retrata é bastante comum e pode eventualmente, tal como a protagonista, servir de catarse para alguém que sofre ou sofreu do mesmo problema.
    Quanto a mim, a culpa não está bem expressa, uma vez que nas entrelinhas se pode ler um certo fascínio da parte dela pelo padrasto. Talvez falte acrescentar emoções à relação. Não sei há ali algo seco que não combina com alguém que exerce violência sobre outrem.

  6. Não li o livro, porque só o poderei adquirir quando voltar a Portugal (não encontrei e-book). Agradeço a análise pormenorizada, que deixou a vontade de o ler. Obrigada, Ana Paula, gostei muito.

    1. Obrigada, Teresa. De facto, deve ser uma angústia não ter acesso aos nossos livros físicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

1984, de George Orwell

Estou inserido naquele grupo de pessoas que inveja as aves – a capacidade de voar, os seus movimentos erráticos,…

Sangue do meu sangue

Foi crescendo devagarinho. Primeiro um insulto. Depois um safanão. O cabelo puxado com força. A mão assente na…