fbpx
CinemaCultura

Labirinto de Mentiras ou o ‘mea culpa’ com a História

Julgaríamos e condenaríamos militares portugueses que comprovadamente tenham assassinado civis no massacre de Wiriyamu?

Foi a esta questão que me sobrou de Labirinto de Mentiras numa tarde de sábado em que optei por ver um filme sobre o nazismo, concretamente sobre a abertura, por parte de um procurador público de Frankfurt, em 1958, de uma investigação sobre o papel que muitos alemães desempenharam no regime nazi.

A tarefa revelava-se gigantesca tal era a dificuldade estava em encontrar uma família sem um membro afecto ao partido ou, pelo menos, que não tivesse praticado um qualquer acto vil.

O cinema alemão (aquele que vi) possui uma particularidade que me apraz, quando não quero correr o risco de ser defraudado: tal como noutras dimensões do povo germânico, o seu cinema é competente, organizado e seguro no que à estrutura diz respeito. Depois, posso questionar se o factor humano (mais latino e/ou anglo-saxónico) é suficiente para temperar tanta competência com a imprevisibilidade que o sentimento sempre acrescenta a uma obra de arte.

[A meio da visualização, aconteceu-me algo inaudito: percebi que já havia visto o filme, no cinema, e durante uma hora não me lembrara de nada… e então tudo voltou: a companhia, o lugar e o que debatemos depois. Curioso como um filme que na altura teve impacto na nossa percepção dos acontecimentos (pela conversa que originou) se tenha evaporado assim da minha memória!]

Em Labirinto de Mentiras, apesar do aviltante drama humano que lhe dá o mote, ao contrário de em A Revolução Silenciosa, o apport dramático não é totalmente conseguido. Não quer isto dizer que o filme não mereça crédito, pelo contrário: levanta uma interessante questão acerca da natureza da justiça, da vingança e da culpa.

A base argumentativa da defesa dos antigos nazis que, treze anos depois do término da guerra, tinham as suas vidas restabelecidas, como professores, padeiros ou advogados, era a de que cumpriam ordens numa era em que o país era nacional-socialista (<=> nazi). Ainda que tal seja verdade, será suficiente para os ilibar dos actos cometidos? A questão central do filme nem sequer é se o fizeram mas até que ponto uma investigação e subsequente absolvição ou condenação constitui um acto de justiça? E se poucas dúvidas restam para com aqueles que iam além das ordens que lhes eram transmitidas, agindo com sadismo por conta própria, para os restantes fico com a dúvida. E só reconheci esta dúvida quando a história sugere a quase obrigação da Alemanha julgar os seus (ainda que tenham estado em funções oficiais), e esta premissa me fez olhar para a História do meu próprio país: podemos não o admitir (não é agradável), mas houve massacres na Guerra Colonial, houve atrocidades cometidas em África… será que julgámos os nossos, ou pelo menos tentámos averiguar o que se passou próximo de Tete por exemplo, à semelhança do que pedimos ao povo alemão? E os “nossos” foram depois padeiros, professores ou advogados, tal como os alemães…

Todos os países têm os seus podres; colocarmo-nos na pele do outro pode ser doloroso e, se outro mérito este filme não teve, a questão que me suscitou a propósito do que exigimos aos outros versus o que não fazemos em casa valeu a reflexão. Afinal, umas quantas aldeias chacinadas em Moçambique eram tão inocentes como os judeus exterminados às mãos dos alemães, ainda que o “atenuante” de o primeiro ter sido cometido no calor da guerra e o segundo resultante de um frio planeamento não acomode tudo no espaço que reservo para as desculpas aceitáveis: no fim, ambos resultaram no assassinato propositado de inocentes.

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: