+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Henry Miller: Prophet of Desire

É este o título do documentário que poderão encontrar no Netflix sobre o escritor Henry Miller.

Confesso que documentários biográficos são o meu género favorito, fascina-me conhecer a vida das pessoas que admiro, especialmente os artistas. Por gostar da escrita do Henry Miller, apesar de só ter lido o livro “Sexus” deixei que a curiosidade me levasse até este documentário. Os escritores da beat generation, como o Miller ou Kerouac têm uma áurea especial à sua volta de obscenidade e inconformismo.

Tinha muita curiosidade em saber mais sobre este escritor, identifico-me com a forma como escreve e gosto particularmente do estilo despudorado das suas palavras e afirmações. Se é para dizer o que pensa e com isso chocar, que seja assim! Mais do que causar choque agrada-me a postura de quem diz o que tem para dizer sem floreados.

Por outro lado por se tratar de uma figura controversa o documentário despertou-me curiosidade, não é cansativo nem muito denso. Dá para ficarmos com uma ideia geral sobre o escritor e a sua vida e talvez com uma imagem mais simples dele. Confesso que tinha uma ideia um pouco diferente (e não querendo alongar-me para não estragar o impacto) os artistas têm uma boa dose de loucura associada que, na maioria dos casos esconde uma imensa fragilidade e sensibilidade.

Talvez tenha sido essa a maior descoberta de todo o documentário! Um homem que é mais do que escreve, que teve uma vida cheia de tropeções mas nunca perdeu o espírito e conseguiu manter-se fiel a si mesmo durante toda a vida. Achei este aspecto notável a par de um lado emotivo que foi claramente o motor da sua vida.

Podemos não gostar, podemos nem sequer concordar mas o valor do Henry Miller como escritor e personalidade da historia da humanidade é incontornável! Deixou um legado importante que durante a sua vida defendeu. Os destemidos que enfrentam sociedades fechadas pagam um preço muito alto e ele não foi excepção. Se em vida o reconhecimento foi tardio que o seu trabalho e a memória não nos faltem para a ovação que tanto merece.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

E o Óscar vai para…

Next Post

Kamala A sombra de Biden

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Scarlett Johansson

Scarlett Johansson (Nova Iorque, 22 de novembro de 1984) é a actriz mais rentável da história do cinema. Nascida…