+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Golfinhos no Tejo, Os Embaixadores da Boa Esperança

Desde que me conheço por gente que adoro histórias: ouvir histórias, contar histórias.  As minhas favoritas são as que contêm realidade, sonho e um final feliz.

Em pequena, na casa dos meus avós, passava horas a folhear um livro sobre a vida nos oceanos, sendo o capítulo dedicado aos cetáceos o meu favorito. Sonhava com o dia em que teria a oportunidade de ver os simpáticos embaixadores dos oceanos ao vivo e a cores. Um dos temas de conversa com o meu avô consistia em papaguear a informação que considerava mais interessante e ouvir as histórias de golfinhos que em tempos idos nadavam no Tejo, mas a poluição resultante das atividades humanas afastara os simpáticos mamíferos aquáticos.

Segundo os Velhos do Restelo, a poluição gerada pelas fábricas, pelas cidades e pelo tráfego marítimo contribuiu para a degradação do ecossistema e a diminuição de alimento tornando impossível o regresso dos golfinhos ao estuário do Tejo.

Que argumento possui uma criança contra factos documentados por adultos? A capacidade de continuar a sonhar e guardar num cantinho recôndito do coração a esperança de um dia testemunhar que os pessimistas também se enganam.

O engraçado dos sonhos é que reaparecem quando precisamos de resgatar a esperança. No tempo que passei na faculdade questionei-me muitas vezes sobre o meu futuro profissional. Para me distrair desses pensamentos substituí o folhear do livro dos oceanos por uma palestra sobre a população de golfinhos no Sado.

Aprendi que são uma “espécie guarda-chuva”: estes cetáceos são os embaixadores de campanhas para a implementação de medidas de conservação do seu habitat beneficiando outras espécies que também lá moram. Questionei sobre a probabilidade destes mamíferos aquáticos voltarem a visitar as águas que banham Lisboa. De acordo com os especialistas a probabilidade era pequena, mesmo com a implementação de medidas de combate à poluição, como por exemplo, a construção de estações de tratamento de águas residuais.

Naquele momento senti que dobrar o Cabo das Tormentas associado à poluição era possível, mas muito difícil, tendo em consideração as questões associadas às dragagens, que podem ter como consequência a ressuspensão de metais pesados que afetam a qualidade da água; e a poluição sonora associada ao tráfego marítimo no estuário que influencia o sistema auditivo dos cetáceos, um dos seus mecanismos sensoriais mais importantes.

O tempo passou e pelo que se conjuntura ser o resultado da diminuição da poluição no estuário do Tejo e a disponibilidade de alimento proporcionou o regresso dos golfinhos ao Tejo na época de pandemia – uma época em que o mundo precisava de um sinal de esperança.

O regresso destes embaixadores da boa esperança está envolto em mistério – apesar do retornado da normalidade as suas visitas continuam regulares. A comunidade científica com a colaboração de empresas e associações estão a recolher dados e analisá-los com o intuito de delinear estratégias de preservação do ecossistema do estuário do Tejo.

Quanto a mim tornei um sonho de menina realidade: num passeio de barco pelo estuário do Tejo observei um grupo de golfinhos que incluía uma cria.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Pró-europeísmo vs. Euroceticismo

Next Post

Jornadas Mundiais da Juventude 2023

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Um dilema para Salomão

Em pesquisa para um artigo sobre dor, tropeço com declarações, no mínimo polémicas. Como devem entender, estas…