+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Filomena

Terá sido na Primavera de 2014 que vi Filomena com a Angélica, no cinema do Oeiras Parque. Mais do que por qualquer outra razão, quis ver este filme pela história! A exclamação prende-se com o facto de nunca querer saber as sinopses no momento da escolha: as opiniões (da crítica e do público), os intérpretes, realizadores, argumentistas, e por vezes o país de origem são os ingredientes cozinhados para me decidir. No final, resolvi seguir aquele feeling, parecido com o que nos assalta quando entramos numa livraria e rapidamente reconhecemos pelas capas ou agregações, se determinada obra ou secção nos interessa ou se nem vale a pena perder um segundo.

Judy Dench é uma dama em todos os sentidos. Stephen Frears um valor seguro e experimentado da realização britânica. Steve Coogan um comediante que eu desconhecia. A história: o relato verídico de uma mãe à procura do filho que lhe havia sido retirado pelas freiras do convento para onde havia sido enviada grávida, ainda adolescente, cinquenta anos antes. A vergonha havia atrasado a decisão de Philomena Lee partir mais cedo à procura do primogénito (viria a ter uma filha mais tarde).

Na Irlanda católica da década de 50, ser mãe solteira e adolescente era motivo de vergonha. As raparigas a quem tal acontecia eram enviadas para conventos, tratando as freiras de, mal as crianças nascessem, entregar os bebés para adopção; de preferência a famílias do outro lado do Atlântico.

Philomena viveu com esta dor durante mais de meio século. Foi quando encontrou apoio no jornalista Martin Sixsmith que o sonho de reencontrar o filho começou a ganhar forma. Do convento de Sean Ross, não encontraram outra coisa além de, mais do que silêncio, um profundo desprezo pelo outro e uma incomensurável dose de maldade. Sozinhos, foram juntando as pontas de um passado sofrido, numa tentativa de aproximar Michael (que deveria ter mais de cinquenta anos, à data) da sua mãe.

Não desenvolvo mais a história, não só para não destruir o impacto que a visualização do filme pode causar, como para não influenciar qualquer juízo acerca do que se passou depois (não que subsistam muitos ângulos de análise).

A curiosidade não morreu depois de as luzes se acenderem e a Angélica e eu ficarmos em silêncio, durante uma parte não desprezível dos créditos finais. Trocámos algumas palavras que expressavam o nosso estado de espírito, elogiámos os dois intérpretes, a realização (brilhante) e a forma como a história nos foi contada na tela, e fomos para as nossas casas. Nessa mesma noite, procurei o livro que originou o filme, O Filho Perdido de Philomena Lee, de Martin Sixsmith. Comprei-o e li-o pouco depois, revivendo e até reforçando alguns dos sentimentos que o filme trouxera. Como era possível?

Fiquei a adorar aquele homem, Martin Sixsmith, que no fim, resolve… não posso escrever aqui o quê (spoiler), mas foi a mais nobre atitude. E ganhei um respeito gigantesco por uma mulher que sofreu num tempo que não era o dela, vítima de uma época e de uma sociedade que diziam mais sobre a maldade do que sobre a vida.

Filomena não é um filme brilhante, mas é um filme que brilha pela sensibilidade e honestidade que transporta para a história, e para nós, e que nos oferece um retrato de um período negro, construído por grandes intérpretes. Só podia ser assim para transformar em enternecimento um assunto tão delicado.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Antigo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

E tu? Onde te encaixas?

Next Post

Reciclagem e dinossauros

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Jerusalém

Levei uma década a desencontrar-me de Jerusalém e, por consequência, do seu autor. Deste livro disse José…