fbpx

O poder do discurso é real? Será que pode influenciar a sua realidade de acordo com as palavras que pronuncia?

“Não importa o que quer que te digam, as ideias e as palavras podem mudar o mundo.”

– Professor Keating, em O Clube dos Poetas Mortos

As palavras têm impacto na forma como se sente e, consequentemente, na maneira como se comporta. Pense assim: se repetidamente ouvir «És muito inteligente! És mesmo inteligente!», especialmente quando está mais suscetível a receber essas palavras como verdadeiras (durante a infância), acabará por adotar a crença de que é inteligente e, inconscientemente, irá comportar-se dessa forma. Parece muito simplista, não parece? Contudo, é exatamente assim que o cérebro e o nosso inconsciente trabalham. Quando temos uma crença celular (impressa nas nossas células) tendemos a agir em função desse ponto de partida.

Mas o que é que as palavras têm que as tornam tão impactantes para o ser humano? Porque é que o que diz repetidamente a si próprio se torna uma profecia auto-realizável?

1 — O ser humano é feito de água

O corpo humano é constituído por 50 a 75% de água. Os bebés contêm níveis de água de 75 a 78%, descendo para cerca de 65% a um ano de idade. Os órgãos vitais são feitos de 71 a 84% de água (cérebro, pulmões, coração, fígado, rins). Até os ossos são 31% de água!

  • A água que constitui o corpo humano serve uma variedade de propósitos:
    Componente primário da constituição de células
    Regulação da temperatura interna do corpo
    Metabolização de proteínas e carbohidratos
    Isolante do cérebro, espinal medula e órgãos (também age como um absorvente de choque)
    Lubrificante de ligamentos
    Eliminar lixo e toxinas do corpo
    Transportar oxigénio e nutrientes para as células
    Dissolver minerais, vitaminas solúveis e certos nutrientes

Não há dúvida de que nós somos maioritariamente feitos de água.

2 — A água tem consciência

A água tem propriedades únicas: a sua densidade aumenta abaixo do ponto de congelamento, enquanto diminui acima do mesmo e é o único elemento conhecido que existe nos três estados: sólido, líquido e gasoso. (1)

Estudos científicos demonstraram que a água não só tem memória como a sua estrutura molecular é afetada pela energia à sua volta. (2)

O Dr. Masaru Emoto conduziu uma série de experiências por mais de 20 anos, fotografando moléculas de água quando expostas a palavras humanas, pensamentos, sons e intenções. Esta investigação demonstrou que a água mudava a sua estrutura quando interagia com emoções ou palavras positivas ou negativas.

Alguns exemplos de imagens que se podem ver no livro The Miracle of Water são:

Ao olhar para estas imagens, é bastante claro que a água é influenciada por aquilo a que está exposta, sendo que a sua estrutura molecular se fortalece quando exposta a palavras ou estímulos positivos. Esta investigação também demonstra que a água tem memória, conseguindo reter (e lembrar) informação. (1, 2)

3 — As palavras afetam as águas do corpo humano

Se somos feitos de água e a água é programável, tal significa que pode programar as suas águas interiores através das palavras que usa, dos pensamentos em que se foca e das intenções que escolhe.

Todas as religiões e práticas espirituais usam sons e mantras que ressoam com uma certa frequência, interagindo de forma específica com as células do ser humano e instigando maiores níveis de consciência.

O Dr. David R. Hawkins incluiu uma lista de palavras no livro Poder vs Força para exemplificar o impacto que têm, declarando:

“Simplesmente por ter lido esta lista, já não é a mesma pessoa; simplesmente por ter tomado conhecimento das diferenças entre estes polos começa a aumentar o seu poder interior. Com estas distinções em mente, começamos a notar coisas que nunca tínhamos observado antes. Tais revelações ocorrem porque, como o leitor vai descobrir, o universo favorece o poder.” (3)

Compreendermos o discurso e as palavras que usamos tem um efeito em nós. Pode ser subtil a princípio, mas o efeito existe e é impactante, conforme as experiências com a água demonstraram. (2)

Neville Goddard escreveu uma série de livros focados nas capacidades criadoras que o ser humano possui, descrevendo que sentir é o segredo e que são as palavras que acordam as emoções, explicando o poder da reza, ou seja, o ato de pronunciar certas palavras com fé e determinação. (4)

Proferir determinadas palavras ou comunicar (com os outros e connosco próprios) escolhendo deliberadamente as palavras do nosso discurso, origina ações inspiradas, ou seja, gera comportamentos que nos expandem e enriquecem como seres humanos.

“Qual é o parasita mais resiliente? Uma bactéria? Um vírus? Um verme intestinal? Uma ideia. Resiliente… altamente contagiosa. Quando uma ideia toma conta do cérebro é quase impossível de erradicar. Uma ideia que está completamente formada – completamente compreendida – apega-se, algures aí dentro. Uma simples ideia da mente humana pode construir cidades. Uma ideia pode transformar o mundo e reescrever todas as regras.” 

– Cobb, “Inception, A Origem”

O que pensamos e o que verbalizamos são de extrema importância! Na verdade, as palavras modelam a nossa realidade. Estarmos conscientes de como estamos constantemente a criar com palavras é uma poderosa ferramenta para a vida. As palavras têm a capacidade de nos fazer sonhar ou encolher, devido à sua energia, porque são a porta das ideias, e as ideias, por sua vez, instigam comportamentos.

Por isso, as palavras que usamos determinam a nossa vida, visto que afetam diretamente a nossa química interna.

Viver numa era de discurso frívolo afeta-nos a nível celular. Alimentar certos diálogos ou simplesmente observar as notícias é, frequentemente, estar exposto a ataques verbais terroristas.

Ser-se humano é ter a capacidade de usar as palavras com intenção e, portanto, é da nossa responsabilidade estarmos conscientes de que as palavras que escolhemos afetam as nossas águas internas, bem como as dos que nos rodeiam. Ou seja, há um efeito de boomerang: não dá para proferir certas palavras a algumas pessoas sem esperar que elas tenham também um efeito em nós próprios, ou vice-versa: não podemos alimentar um discurso interior de determinada vibração e esperar que ele não se repercuta na nossa realidade.

As palavras que selecionamos diariamente acabam por ficar tatuadas nas nossas células e a ditar a nossa vida. Por isso, se vamos alimentar uma profecia auto-realizável, escolhamos uma que queiramos viver.

Referências:
(1) — The Fourth Phase of Water, Beyond Solid, Liquid, and Vapor por Dr. Gerald H. Pollack
(2) — The Miracle of Water por Dr. Masaru Emoto
(3) — Power vs Force por Dr. David R. Hawkins
(4) — Feeling is the Secret por Neville Goddard

O que pensas deste artigo?

0
Adoro
0
Estou in Love
0
Não sei bem
0
É Divertido
Natália Costa
Escrevo sobre inteligência emocional, filmes e pessoas inspiradoras, taoismo e espiritualidade. Criei o Skin at Heart para partilhar vitalidade, rejuvenescimento e mindfulness, bem como o meu trabalho literário. Para mais informações visite www.skinatheart.com

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: