fbpx
Bem-EstarLifestyle

Escolhas

A vida, mesmo muitas vezes, prega-nos partidas.

Altera-nos o caminho que tínhamos sonhado, projetado para nós. A mudança não tem de ser necessariamente má, apenas sendo um rumo diferente ao que achávamos ter traçado. Podemos fazer planos, imaginar um futuro para o qual até temos o desplantar de lutar, mas depois algo acontece e “puff”, tudo se altera. Ou não, e parece que nunca muda nada…

Sempre ouvi dizer que “se Deus nos fecha uma porta, logo nos abre uma janela”, o que faz todo o sentido, porque as oportunidades da vida são como milho numa panela quente: vão saltando uma atrás da outra. Talvez me digam que não, que são uns desgraçados e que não têm oportunidades, mas não é verdade.

As oportunidades apresentam-se de várias maneiras, algumas bem discretas, embora nem sempre estejamos devidamente abertos as percebê-las. Por exemplo, pessoas que se cruzam connosco a quem, por sermos educados na desconfiança, não falamos, não sorrimos e com quem não interagimos. Aquele autocarro ou comboio que perdemos e que, devido à nossa constante pressa, não percebemos que, afinal, foi uma sorte ou como quando conhecemos alguém ou termos a oportunidade de ouvir aquela conversa, a que até somos alheios, mas que traz algo de novo à nossa vida. A consulta que foi desmarcada, para ser remarcada para aquele ou aquela médica que fará toda a diferença na nossa cura.

Os azares que nos permitem alterar o nosso futuro para melhor, não são azares, como lhes chamamos, são oportunidades de conhecer novos caminhos, ter novas experiências ou apenas poder escolher entre o novo e o velho.

Remédio só não há para a morte, dizem. E dizem bem. Porque para tudo o resto é uma questão de atitude e de escolha. Não existem escolhas boas ou más, apenas escolhas. Os “ses” são apenas a ilusão de um presente ou passado que nunca existirão e o futuro é apenas uma promessa que desvanece ou que se materializa a cada decisão, a cada opção que fazemos.

Não se iludam. As coisas acontecem porque têm de acontecer e o nosso livre arbítrio é o consolo que encontramos para o que não conseguimos controlar.
Será um paradoxo o nosso livre arbítrio ser controlado pelo acaso ou pelo destino?

E quanto à própria morte, ela é o maior de todos os mistérios, apesar de ser a única certeza igual para todos, independentemente da maneira como vá ocorrer.

Ana Marta

Ana Marta, nascida em Sintra a 22 de Abril de 1971 e mãe de 3 filhos, desde cedo revelou o seu interesse pela escrita e pela Literatura, começando por escrever pequenos poemas durante a adolescência, época em que estudava Literatura Portuguesa. Ávida leitora desde que aprendeu a ler, sempre consumiu livros dos mais variados géneros literários e escrevia, em diários, textos sobre o que o seu coração sentia. Algumas décadas mais tarde, viria a publicar num blogue intitulado "Inexplicavelmente", textos da sua autoria e que, mais tarde, atraíram milhares de seguidores na sua página de Facebook, atualmente "ANA MARTA". Em 2020, lança o seu primeiro livro "Inexplicavelmente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.