fbpx
SociedadeSociedade

Ele está vivo!

Amar! Mas de um amor que tenha vida…

Antero de Quental, in Sonetos

Gosto tanto de ti!
Gosto da tua companhia!
Adoro ser tua amiga!
Amo-te!

Palavras, palavras que transmitem calor,palavras ricas, cheias e doces. Palavras que confortam, que curam, que beijam suavemente a nossa face. Palavras simples que, por vezes, arranham a garganta, escondem-se por debaixo da língua, ficam presas entre dentes e, simplesmente, não saem.

Contudo, ele está vivo, sabes? Ele, o Amor! Ele que nasceu pequenino e cresceu, insano e apaixonado, um amor selvagem e louco que não se deixava envergonhar pela multidão, aquele que não negava um beijo, um carinho, por muito público que houvesse à sua volta! Um amor apaixonante e apaixonado, amadurecido pela vida e que hoje chegou à idade adulta. No entanto, Ele está vivo, sabes?

Este “novo-velho” Amor afirma convicto que não precisa de palavras nem de grandes gestos, que não quer carinhos na multidão, que isso é coisa de amores jovens! A este “novo-velho” amor basta apenas um olhar simples, pois nele estão todas as declarações de amor alguma vez escritas e muitas vezes pensadas, basta um aceno de cabeça porque, para este “novo-velho” amor vale tanto um beijo roubado na rua como uma cama acabada de fazer com lençóis lavados. Mas Ele continua vivo, sabes?

Na rua passa um casal. Trazem com eles o tal Amor jovem: fresco e desavergonhado e trocam mimos como se não houvesse amanhã. Naquele momento, ao “novo-velho” amor, há um batimento que falha: eu não preciso daquilo, eu sou um amor maduro! Fico feliz com um beijo de boa noite depois de deitar os miúdos, fico contente com um café acabado de fazer trazido à sala. Eu não preciso daquilo! Mas Ele está vivo, sabes?

Ele está vivo, ele vive! E, como para qualquer outro ser vivo, é preciso cuidar, dar-lhe o essencial para sobreviver, é preciso deixa-lo respirar e alimenta-lo para que cresça.  O tal “novo-velho” amor precisa tanto ou mais de alimento como aquele que ainda ontem nasceu, mesmo que o negue veemente. Precisa de carinho, de massagens, alimenta-se de palavras cuidadas e cuidadosas, daquelas que às vezes teimam em não sair. Bebe de gestos simples, de mãos dadas, de risos cúmplices e gargalhadas sonoras. Inspira cada mimo e expira cada beijo.

Ele está vivo, sabes? E, como vivo que está e que é, também tem dias menos felizes, com menos vontade, dias em que se esquece de se alimentar, mas por isso é que nele há dois corações: para que, quando um estiver mais para baixo, o outro o ajude a vir para cima e assim se mantenha equilibrado. Nessas alturas revolta-se, grita, chora bem alto. Nessas alturas só queria ser outra vez fresco, apaixonado como no dia em que nasceu, quer ir para a rua e gritar a plenos pulmões: Eu estou vivo, sabem? Gritar que quer alimento, que tem espaço e vontade para crescer !

Por isso, acho que já sabes que Ele está vivo, e mesmo quando afirma convicto que não precisa de nada, desconfia, não acredites logo! Alimenta-o, cuida dele, trata-o sempre como quando era fresco e novo. Vá, Ele está vivo, sabes? Não o deixes morrer!

Tags

Andreia Mendes

Natural de Caldas da Rainha, 36 anos. Licenciada em Educação Social. Mulher, Mãe de dois. Com paixão pelas pessoas, pelas palavras, pelas acções, pelo teatro, pela música e claro pela escrita! Incapaz de compreender algumas injustiças por esse mundo fora, por esse tempo adentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: