fbpx
CinemaCultura

E o Óscar vai para…

Um dos eventos mais aguardados do ano, para os amantes da grande tela, é a entrega dos Óscares. Este ano, o glamour voltou e a passadeira vermelha brilhou.

Quem se destacou foi o ator Will Smith e não tanto por ter ganho o Óscar de melhor ator. A Internet foi esbofeteada com diversos comentários e opiniões sobre o ocorrido. Há quem diga que foi tudo uma grande encenação para atrair o público que se foi distanciando. Dois anos de uma pandemia global roubam protagonismo a qualquer um.

Temos também a desculpa da guerra. Andamos todos alterados, a violência é cada vez mais gratuita e banalizada. Vimos o caso do polícia português morto no final de uma noite de copos.

Parece que tudo justifica a explosão dos nervos e o abuso da força, seja ela física ou nuclear.

Bom, voltando ao cinema, fiquei curiosa de ver os filmes mais nomeados e galardoados. Pus mãos à obra e aqui vos deixo com três deles:

O Poder do Cão 

Recebeu, unicamente, o Óscar de Melhor Realização, apesar de estar nomeado para doze categorias. A cineasta neozelandesa Jane Campion é a segunda de cinco mulheres nomeadas para o Óscar de Melhor Realização e a primeira mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cannes.

Pessoalmente, achei o filme demasiado “parado”, apesar das magníficas paisagens que contrastam com a escuridão e tristeza do interior – um rancho em Montana, nos anos 20. A história gira em torno de dois irmãos que vivem razoavelmente confortáveis com os resultados pecuniários do seu rancho.

É com pequenos gestos, símbolos e palavras que ficam por dizer que, subtilmente, o filme se vai desenrolando em quatro atos. “Nem tudo o que se sabe se encontra à face, muito do que importa flui em segundo plano, escapando constantemente às tentativas da racionalidade.”

King Richard – Criando Campeãs

Este filme valeu a Will Smith o Óscar de Melhor Ator. Uma história de esforço, de mentalização e superação. Aquele pai acreditava piamente que as suas duas filhas, Venus e Serena Williams, seriam campeãs mundiais de ténis. Elas acreditaram e toda a família lutou para que dois “milagres” acontecessem.

Resumindo, o filme baseado na história verdadeira da família das famosas tenistas mostra o poder do esforço, do trabalho, do empenho, da educação, da persistência e da mente. Quando acreditamos verdadeiramente em algo, não desistimos até conseguir. E aqueles pais acreditaram e levaram-nas a acreditar também. Para mim, essa é a grande diferença. É um filme sobre o pai. Vale a pena ver.

The Eyes of Tammy Feye

O filme valeu a Jessica Chastain o Óscar de Melhor Atriz pelo seu desempenho como Tammy Faye Bakker, uma televangelista dos anos 70 e 80. Juntamente com o marido, Jim Bakker (Andrew Garfield), deixaram as suas origens humildes e transformaram-se num poderoso casal que, ao espalharem a mensagem de Deus, construíram um império criando a maior rede de radiodifusão religiosa e parque temático do mundo. Eram reverenciados pelas suas mensagens de amor, aceitação e prosperidade.

Tammy Faye era conhecida pelas suas longas pestanas, excesso de maquilhagem e forma singular de cantar. Óscar merecido, mas penso que a personagem poderia ter sido mais explorada. A interpretação dos vários estados de espírito, a ascensão e queda, mas, acima de tudo, o seu grande amor a Deus e às pessoas cria em nós uma empatia e simpatia que se prolonga no tempo. O filme recebeu também o Óscar de Melhor Caracterização.

De todos os filmes galardoados, que falei aqui e dos que não falei, sobrou apenas curiosidade para ver Coda – título original que remete para a sigla de “Children Of DeafAdult” (em português, filhos de adultos surdos) – vencedor do Óscar de Melhor Filme.

E vocês, quais é que já viram?

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico

Sara Carvalho

Curiosa, desde miúda, devorava livros e ficava fascinada com a capacidade intelectual dos autores para criarem enredos. Era fã acérrima de Agatha Christie, apesar de ter sido Enid Blyton quem me conquistou primeiro. Na idade adulta, o chamamento para escrever tornou-se ensurdecedor e em 2021 publiquei o meu primeiro livro - 777 - um romance de fantasia. Abri uma página e um blog para escrever e partilhar esta paixão - Cenas d’Escritas. Participei em diversas coletâneas poéticas como co-autora convidada. Escrevo regularmente, como cronista, para o jornal A Voz de Paço de Arcos e para a revista online Helicayenne Magazine Portugal. Neste momento, aventurei-me como coordenadora na criação de uma coletânea poética do grupo de escrita que administro no Facebook - Alma de poeta, alma inquieta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.