fbpx
CinemaCultura

Dunquerque – 75 Anos Depois

Na noite do sábado em que almocei e conheci os meus correligionários do Repórter Sombra fiquei em casa. Em Outubro, as noites começavam a arrefecer e, qual velho a habituar-se às respostas que o corpo vai dando ao avançar da idade, fui ganhando o gosto pelo equilíbrio entre os jantares fora e o aconchego do lar numa sessão de cinema caseiro, aninhado no sofá à meia-luz, sem o espectro de acordar cedo no dia seguinte.

Percorri a box à procura de um filme do meu agrado e, numa nova “escolha de velho”, a duração do filme (106 minutos) fez-se determinante na selecção da pelicula, não fosse o sono boicotar o serão: Dunquerque de Christopher Nolan, realizada em 2017, foi a eleita.

Deixei passar o filme no cinema, mas a curiosidade permaneceu, apesar de não gostar muito de Nolan (adoro, contudo, a temática da II Guerra). Reconhecendo que em televisão, o filme não tem um décimo do impacto que deverá ter no grande ecrã, devo dizer que, não me tendo enchido as medidas, a ideia da Batalha de Dunquerque é de uma beleza e de um romantismo que dificilmente voltarão a ser possíveis: a requisição de centenas de barcos de recreio britânicos para atravessar o canal da Mancha e resgatar mais de 300 mil homens encurralados numa praia no norte de França é algo irrepetível nas guerras subsequentes. Além disso, a edição do filme (ou montagem) é provavelmente a melhor que já vi até hoje. A montagem é, a par do argumento e da realização, a grande responsável pela forma como a história chega ao espectador e neste filme, as três micro-histórias que vamos vendo alternadas e em paralelo (e que se vão fundindo na grande história) estão “encaixadas” de uma forma magistral. É um exemplo do poder da edição na forma de transmitir uma história.

Setenta e cinco anos antes um outro filme sobre a II Guerra incluía a batalha de Dunquerque. Foi há uns quinze anos que vi o vencedor do óscar de Melhor filme em 1942, A Família Miniver (Mrs. Miniver no original: o título em Portugal vai alternando). Se Dunquerque é um filme bélico com toques de humanismo, Mrs. Miniver é um filme sobre o esforço humano que na rectaguarda contribuiu para o apoio aos homens na frente de combate. Não é ao acaso que opto pelo título Mrs. Miniver pois nele, é o desempenho dos que, na rectaguarda, contribuem para o sucesso da batalha que é enaltecido, e entre esses, o papel da mulher sobressai com uma importância acrescida. Greer Garson tem o papel da sua vida.

Não faço segredo ao olhar para a década de 40 como a mais mágica, bonita e impressionante da História do Cinema. Aquela que é para mim a principal responsável por olharmos para o cinema do modo como que o fazemos e por ter estabelecido uma certa forma de contar uma história, que perdurou nas décadas seguintes. Foi a década de ouro que sedimentou o film noir e na qual nasceu o neo-realismo; foi a década que nos presenteou com Casablanca, Ladrões de Bicicletas ou O Mundo a seus Pés.

E pronto… já divaguei… voltando aos carris para terminar: A Batalha de Dunquerque em Mrs. Miniver… um feito ao contar uma história sobre a História a acontecer no momento (no ano seguinte, Casablanca viria a imortalizar esta audácia). A Batalha de Dunquerque em Dunquerque… um olhar para a História sob o filtro do tempo, dos costumes e, obviamente, da evolução tecnológica.

Dunquerque

Argumento - 80%
Interpretação - 65%
Montagem - 100%
Produção - 85%

83%

Pontuação Final

A montagem na construção de uma história

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.