fbpx
ContosCultura

Dizia a mensagem

Sinto falta dele, dizia a mensagem.

Às três da manhã, o relógio no silêncio era o palpitar do coração. O tempo escorria pelo quarto todo. Uma nuvem entrava pela janela e aninhava-se num canto. Ela escrevia mensagens no telemóvel

Sinto a tua falta

que depois apagava, ou

Queres beber café?

que enviava e de que se arrependia, incerta da melhor forma para coser o coração. Que coração, o dela ou o dele? Quantas vezes se tinham partido e colado um ao outro? Onde estariam mais crus, na superfície ou no tutano?

Quatro da manhã. Recebia mensagens carregadas de álcool e de desespero

Mataste o que nunca chegou a ser.

As tristezas manchavam almofadas, as lembranças tocavam na pele e afinal o amor quando acabava não ia para lado nenhum. Era para sempre uma nuvem aninhada num canto de nós.

Sentia raiva: talvez precisasse de se embriagar de paixão ou de álcool, de levar alguém pela mão e trancar a porta atrás de si, de se permitir tudo numa cama desconhecida e só abrir os olhos na timidez da aurora azul, violeta, laranja. Ou talvez não, talvez só precisasse de se abraçar e de se saber capaz.

Cinco da manhã. Empurrava a nostalgia nos baloiços da adolescência, brincando com os “e se”, enrolando na mente imaginações e mundos paralelos com amantes proibidos. Voltava a ser adolescente. A sombra da gata no escuro: em que metafísicas pensam os animais?

Seis da manhã: a escuridão crescia e tornava-se labiríntica, era tragada pela urgência.

Às oito da manhã acordava com respostas cheias de amnésia e de esperança

Sim, podemos beber café. Hoje?

Fechava os olhos, engolia a saliva grossa. Talvez estivesse cansada de não sentir nada. Ou de sentir tudo. De dar voltas: na cama, ao corpo, à cabeça.

Sinto falta dele, dizia a mensagem. Não sei o que fazer.

Mas sabia, sim. Sabia qual era a única coisa que queria fazer, a única coisa que havia a fazer. E sabia bem tudo o que isso significava.

Tags

Rosa Machado

Curiosa e fascinada pelo que não compreende, bicho dos livros e criadora compulsiva de hipóteses mirabolantes. O tempo não existe quando há conversas filosóficas sobre nada, gargalhadas dos amigos, abraços a animais, viagens pelo mundo e todo o tipo de arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: