+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Dia de reflexão

A semana passada, mais concretamente no dia 9 de Maio, celebrou-se o “Dia Mundial da Europa” em referência à proposta feita, em 1950, por Robert Schuman, Ministro Francês dos Assuntos Externos, para a criação de uma autoridade comum destinada a regular a indústria do carvão e do aço na Alemanha Ocidental e em França. Foi o primeiro passo para aquilo que mais tarde se viria a chamar União Europeia.

Pessoalmente não acho que o 9 de Maio seja dia de celebração. Não no estado actual em que a Europa se encontra. Acredito antes que o 9 de Maio deva servir para que todos os estados-membros da União Europeia levem a cabo uma profunda reflexão, porque isto como está não é bom e caminha para pior.

Quando Robert Schuman teve a brilhante ideia de lançar a primeira pedra do projecto europeu, estava longe de imaginar que um século depois este seu precioso projecto viria a tornar-se numa réplica quase exacta da União Soviética. A única grande diferença entre o modelo Soviético e o actual Modelo Europeu reside somente no facto de que os Soviéticos impunham a sua presença, ideologia, política económica, burocracia, etc., pela força das armas. Tal, dava-lhes uma representação e respeito internacional que a União Europeia (felizmente) não tem.

Na mesma linha de pensamento, segue o filósofo e ensaísta português Eduardo Lourenço que considera que a União Europeia quis “andar muito depressa” e esse facto “pode estar na origem da crise que [se] atravessa actualmente”.

“Provavelmente quis-se andar muito depressa, provavelmente teria sido mais interessante que os Doze [Estados] se tivessem consolidado como um grande núcleo, com mais organicidade e mais regras de actuação democraticamente aceites”, servindo “de pólo de atracção” a outros países, observa o ensaísta. Mas não foi isso que se fez. Com a queda do muro de Berlim, a Europa ficou à deriva” .

Questionado sobre uma perspectiva optimista para a União Europeia e o modelo que gostaria de ver a funcionar no espaço Europeu, o autor do livro A Europa Desencantada. Para uma mitologia europeia admitiu que a Europa nunca será uns “Estados Unidos” ainda que tenha sido uma “utopia de Victor Hugo no século XIX”.

Em jeito de conclusão, gostaria de levantar somente uma questão muito importante e para a qual não há uma resposta clara e inequívoca: Será que a Europa ainda vai a tempo de se salvar de si própria? É que os Soviéticos “acordaram” tarde para o problema e tudo acabou como sabemos.

p.s. texto escrito com recurso a excertos do artigo A ideia de Europa é anterior à União Europeia da autoria do Bloguer João Godim.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Provar, mexer e reservar.

Next Post

A tribo dos Bodi e a tradição dos homens obesos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Ser e parecer

“O homem é um animal social”. Esta é uma frase que se costuma ouvir com alguma frequência. Nasce-se…

Montemor-o-Vivo

A rua sobe íngreme pela encosta do castelo. Soa o badalar dos sinos à passagem de uma velhota. O sol rebate na…