+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Desvalorização da moeda? Só para quem pode…

Se em 2008, o futuro da Islândia parecia negro, após o colapso do sistema bancário nacional, que conduziu o país à bancarrota, agora, a situação é totalmente diferente e o FMI aponta a nação nórdica como um exemplo “impressionante”. Em quatro anos, os islandeses renascem das cinzas, evidenciando sinais claros de recuperação económica, traduzidos na descida da taxa de desemprego de 12% para 5%.

Para esta situação contribuiu de sobremaneira as políticas de incentivo à criação de emprego e a promoção de um crescimento económico sustentável por parte do governo, mas a medida que mais impulsionou esta recuperação é a velha solução que os países com moeda própria aplicam cada vez que a economia precisa de um estímulo: a desvalorização da moeda.

A desvalorização da moeda nacional de um estado continua a ser uma das estratégias com mais sucesso para restaurar a competitividade de um país. Com efeitos directos na balança comercial, a depreciação da moeda aumenta directamente o fluxo de exportações de um país e diminui inversamente as importações. Isto é, a moeda valendo menos permite que os compradores externos comprem mais por menor quantidade de dinheiro, o que aumenta o volume de exportações e consequentemente a entrada de dinheiro no país exportador.

Desta forma, a invejável saúde económica que os países nórdicos (Suécia, Noruega, Dinamarca, Finlândia e Islândia) gozam e fazem deles, para muitos, um exemplo a seguir está intimamente ligada à questão da moeda própria, excepto no caso da Finlândia que aderiu ao Euro. A recusa destes países na adesão à moeda única europeia confere-lhes um poder de decisão enorme, que as nações aderentes não gozam.

No caso da União Europeia (UE), esta medida não está nas mãos de cada executivo dos 27 estados-membros. Todas as políticas fiscais e monetárias passam pelo Banco Central Europeu (BCE), entidade financeira que regula o poder de compra e a inflação no contexto europeu. Assim, os países que aderiram ao euro abdicaram da sua autonomia e independência financeira, para implementarem medidas que estejam relacionadas com a sua moeda.

Embora o BCE tenha executado medidas que pretendem diminuir a carga fiscal sobre os europeus, como é o caso da redução na taxa de juros para mínimos históricos, as comparações com países como a Suécia e a Islândia nunca poderão ser justas, pois as diferentes nações não apresentam as mesmas condições à priori. A desvalorização monetária é só para quem pode e, no caso da UE, esta autoridade está remetida, apenas e só, ao BCE.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Portugal afastado da (Liga) Europa

Next Post

Uma missão intergaláctica muito especial

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

(Des) União Europeia

Nas últimas semanas, o excedente corrente da Alemanha tem sido o tópico que mais tem dominado o espaço europeu.…

O símbolo do dinheiro

Não é novidade. É quase Natal. De mansinho somos bombardeados pelas musicas natalícias, pelas ruas coloridas,…

Um Bloqueio Alemão

Desde o início do século XVIII, a manutenção da supremacia naval britânica se mantinha com bloqueios comerciais,…