+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Destralhar

Nos últimos anos este tem sido um lema de vida!

Ainda estou longe do sucesso mas custa-me cada vez menos desfazer-me de coisas que tenho em casa. Tudo isto acontece quando sentimos o peso do mundo nas nossas costas e tudo se torna desmesurado, seja pelo volume ou pela carga que representa. Por isso “destralhar” é um exercício de desapego puro, de orientação das nossas ideias e essencialmente das nossas vidas. Nem sempre é fácil mas quando começa a fluir é muito libertador.

Descobri que arrumar gavetas ou o roupeiro organiza-me a cabeça e até a energia. Todos os sacos que tiro de casa com coisas que já não me servem ou não uso, e saber que outras pessoas lhes poderão dar nova vida, encoraja-me a continuar. Temos mais do que devemos, quase todas as pessoas têm essa noção… e por isso é importante reflectir sobre a forma como consumimos e gastamos o nosso dinheiro. É fácil falar, bem sei, porque velhos hábitos custam a desfazer mas é possível!

Se repararmos a “tralha” que tiramos de casa, é um peso que simbolicamente removemos das nossas costas ou cabeça. A quantidade de sacos representam os quilos que extraímos de dentro e de fora de nós, não é só a casa que fica mais leve e habitável é toda a vida que flui com maior facilidade. Não é mentira nenhuma, nem uma tolice é assim quando arrumamos, limpamos e cuidados de nós ou das nossas coisas!

Muitas vezes sentimos-nos assoberbados com todas as responsabilidades que temos, todas as tarefas que temos de realizar, todas as pessoas que dependem de nós, o mundo torna-se excessivo. Ao pararmos para ponderarmos, podemos acrescentar na reflexão o momento de “destralhar” para aliviar o stress e a tensão acumulada. Quando nos propomos “limpar” o que já não nos serve estamos a tornar o nosso mundo mais eficiente. Pode até ficar mais pequeno, porque na verdade o espólio de coisas que possuímos diminui ao mesmo tempo dá espaço para que o velho dê lugar ao novo.

Ao mesmo tempo que nos libertamos de coisas que deixaram de fazer sentido para nós, permitimos que o espaço se reorganize de outra maneira e por vezes nem parece o mesmo. No final, quando tudo estiver ensacado, limpo, arrumado, reorganizado vamos estar mortos de cansaço mas felizes e prontos para outra!

Experimentem!

Photo by Jakob Owens on Unsplash

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Ela é…

Next Post

Mariama Barbosa

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Relatório Cubano

Da varanda onde estou observo os condutores de bicitaxi e os peões que descem a avenida até ao Malecón; os…

Reflexos

Quando encontras uma pessoa, lembra-te de que é um encontro sagrado. Tal como a vês, assim te vais ver. Tal como…

Seguir com leveza

Ontem deixei ir. Deixei ir um pedaço forte e grande da minha história, uma identificação total minha. Não tinha…