Bem-EstarCrónicasSociedadeSociedade

Deixa a superficialidade, agarra o que és

Um estudo recente apontou que pessoas de classe social mais alta pensam exageradamente que são melhores que as outras. Esta questão é interessante, pois sugere que a irracionalidade do “estatuto” moral, cívico, social, interpessoal influencia a percepção que temos de nós mesmos – e do nosso mundo interior e, sobretudo, exterior. Afecta a nossa realidade, dá cabo da nossa imagem universal.

Concluiu-se, portanto, que o excesso de confiança nas pessoas de classe social mais alta tende a ser confundido com as suas verdadeiras capacidades. Desta forma e num mundo cada vez mais virado para o interior – e, portanto, para o egocentrismo humano e intelectual –, faz sentido “perdermos” algum tempo a pensar na forma volátil como o nosso entendimento muda, é incerto, criativo, incontrolável.

A imagem que temos de nós depende sempre da imagem que os outros têm do protagonista da nossa vida. Tudo depende de ti, do valor que dás às coisas – e a ti próprio, mais especificamente. Tudo começa e acaba em ti. Tudo nasce contigo, na tábua rasa que te acompanha, e que se vai transformando em algo mais.

Temos que aspirar ser melhores: não nos agarrarmos ao status, ao que as pessoas dizem de nós (a opinião dos outros não importa para a forma como te vês; isso é básico). Temos que ir mais além, temos que nos deixar de rodeios e meios termos e aceitar aquilo que somos. Na sua plenitude, no todo que é e será sempre maior que a soma das partes.

Afinal, como se conclui no artigo científico, um olhar rápido pela sociedade actual sugere que estamos longe de alcançar uma verdadeira meritocracia, entendida como a forma de liderança que se baseia no mérito, nas capacidades e nas realizações alcançadas, em detrimento da posição social: uma espécie de «utopia» que, esperamos nós, seja cada vez mais próxima de se realizar.

Tags

Tiago Ferreira

Um jovem sonhador, com uma atitude sagaz e espírito crítico, que gosta de estar a par da actualidade e de, sobretudo, questionar as entrelinhas. Centrando-me no essencial, gosto de acrescentar uma visão muito pessoal às coisas e de, acima de tudo, partilhar a minha verdade. Apaixonado por cinema, devoro literatura — sobretudo fragmentos e poesia —, e a escrita é a paixão primordial desde sempre. O grande desígnio passa por fazer a diferença no mundo através da sensibilidade e humanidade que fazem de mim um poeta da simplicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: