+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Cultura

Preparava-me para desenhar algo étnico para as paredes de um café cujo dono é da América Latina. Deparei-me com alguma dificuldade inicial em interpretar a mitologia ou em recriar os trajes típicos. Essa inercia inicial deu origem a um desconforto, passados alguns dias. Nada saía. Percebi que não deveria desenhar a caricatura que temos de quem é estrangeiro,  mas sim lhes devia algo próprio de um ambiente doméstico, onde se desfruta a comida, o convívio, as estórias, e tornar ainda mais confortável o espaço para o qual me convidam como se fosse a minha própria casa.

Penso na imagem que desenvolvemos sobre o estrangeiro, como algo diferente que admiramos ou menosprezamos. Muitas vezes ambos. Esquecemo-nos de ver o outro como alguém mais parecido do que diferente. Esquecemo-nos de estabelecer elos antes de sublinhar e apontar aquilo em que divergimos. Talvez antecipando esses valores comuns fosse mais fácil.

Maria Sanguchera1_2

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Aventura ou desafio? Peseiro tem a última palavra

Next Post

Diva dos tempos modernos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Vida Inteira

Trinta anos e a vida inteira. Ginástica acrobática depois das aulas, nota máxima a Educação Física, o monstro…

The Pink Star

A Pink é uma força da natureza. Não só pela personalidade, mas também pelo que canta e pelo seu timbre de voz,…