ArtesCultura

Cultura

Preparava-me para desenhar algo étnico para as paredes de um café cujo dono é da América Latina. Deparei-me com alguma dificuldade inicial em interpretar a mitologia ou em recriar os trajes típicos. Essa inercia inicial deu origem a um desconforto, passados alguns dias. Nada saía. Percebi que não deveria desenhar a caricatura que temos de quem é estrangeiro,  mas sim lhes devia algo próprio de um ambiente doméstico, onde se desfruta a comida, o convívio, as estórias, e tornar ainda mais confortável o espaço para o qual me convidam como se fosse a minha própria casa.

Penso na imagem que desenvolvemos sobre o estrangeiro, como algo diferente que admiramos ou menosprezamos. Muitas vezes ambos. Esquecemo-nos de ver o outro como alguém mais parecido do que diferente. Esquecemo-nos de estabelecer elos antes de sublinhar e apontar aquilo em que divergimos. Talvez antecipando esses valores comuns fosse mais fácil.

Maria Sanguchera1_2

Tags

Ricardo Jorge

Lisboa, 1978. Licenciado e mestre em Arquitectura pela Universidade de Lisboa, estudou também Design e Ensino das Artes. Paralelamente a estas áreas desenvolve trabalho em Ilustração e Desenho com exposições regulares em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: