+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Coup de Chance (2023) – Um Golpe de Sorte

We’d like to be able to control everything but in reality we have very little control.

– Alain 

Este filme conta a história de um homem e mulher que andaram na faculdade juntos e que se reencontram passados muitos anos. Este reencontro acaba por levar à infidelidade e ao crime.

Um ótimo filme de Woody Allen que é disruptivo com o cinema de hoje em dia, trazendo a nostalgia e charme de outrora com a técnica de cinematografia dos dias de hoje.

Começamos logo de forma muito casual com o reencontro de Alain (Niels Schneider) e Fanny (Lou de Laâge), dois colegas da faculdade que se conheciam mas sem muita proximidade, o que rapidamente nos faz lembrar que todos temos ligações e recordações semelhantes a esta.

A química dos dois é instantânea e coloca-nos a torcer pelo casal. O filme segue de uma forma muito natural a partir daqui e faz-nos viajar numa experiência muito agradável que alterna entre a comédia negra e o romance.

O facto de o filme ser falado em francês apanhou-me completamente de surpresa e foi uma surpresa muito agradável. A língua francesa remete para um sentimento de romance e de melancolia o que casou muito bem com a narrativa que nos é contada.

O filme empresta todos os maneirismos de um filme do Woody Allen, com coisas extraordinárias a acontecerem a pessoas ordinárias, mas com isto vem a grande lacuna do filme: a história. Ela é só razoável e acabamos por gostar mais da execução das cenas do que propriamente da direção da história em si.

Resumindo, é uma experiência que aconselho a todos com um ambiente romântico, nostálgico, charmoso e uma comédia negra muito bem doseada e cenários cinematográficos lindos, que falha em ter uma história coesa e cativante, embora tenha um final que deixará o mais cético espectador surpreendido.

* CUIDADO COM SPOILERS *

Falando um pouco da história em si, percebemos desde inicio que, apesar do reencontro de Alain com Fanny, que esta é casada e que o marido é possessivo.

O filme passa entretanto de um romance para uma comédia negra quando Jean, o marido de Fanny, encomenda a morte de Alain. Gostei imenso deste twist de tirar uma das personagens principais bem cedo no filme e ao mesmo tempo de garantir reviravoltas genuínas e imprevisíveis.

A mãe de Fanny, interpretada pela talentosa Valérie Lemercier, parece a principio uma personagem totalmente dispensável tem uma evolução muito significativa e acabou mesmo por ser a minha personagem favorita.

A banda sonora é algo monótona mas ao mesmo tempo traz os diferentes tons do filme para um mesmo lugar. O meu aspeto preferido foi mesmo a cinematografia com cores super vivas que cativam o olhar do espectador a qualquer momento.

O final tem um twist humoristicamente genial quando pensamos que Jean (Melvil Poupad) vai “caçar” a sua presa, e acaba ele mesmo por ser o caçado, e isto é nos ilustrado de uma forma que vai garantir gargalhadas na sala do cinema.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Porque é que a extrema-direita está a ganhar força?

Next Post

A imoralidade da Europa

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Nada em ti

Não há nada de nada em ti. Nada. Esse olhar que guarda tudo aquilo que eu quero compreender, que exige silêncios…

Uma questão de técnica

Os espetáculos ao vivo têm adquirido dimensões inimigináveis há algumas décadas. Nos últimos tempos, foram…