LifestyleViagens

Copenhaga: uma cidade silenciosa

Segunda-feira e o mais belo cartão de visita

Silêncio ao fim da tarde: o enquadramento mais bonito que podemos desejar para emoldurar as fotografias que, na calma crepuscular, reflectem um lugar por onde passeamos sem ouvir mais do que a água a correr nos canais e as campainhas das bicicletas a afastar os turistas do caminho. O Tivoli, no centro da cidade, lembra as feiras populares de antigamente.

O bairro latino – onde ficamos a dormir – é central e tem na vida boémia e numa javardeira contida um certo encanto. Conseguimos almoçar e jantar por quinze euros e ao final da noite (pouco depois das dez…) encontramos uma cave ao virar da esquina que serve um café que nos sabe pela vida.

O picadeiro real e o Palácio de Christianborg.

Terça-feira refugiámo-nos do dilúvio na “terra do arco-íris”

A chuva que foi massacrando o andar e ensopando a roupa não nos demoveu de ir ver a sereia, uma daquelas inutilidades que “tem de ser”. No entanto, no porto, tal como na sereia, São Pedro presenteou-nos com abertas para que pelo menos as fotografias pudessem sair secas.

Christiania, um mundo colorido na semana LGBT em Copenhaga, uma entrada na Twilight Zone onde não pude fotografar a rua mais característica (só depois percebi que as tendas vendiam um cardápio de opiáceos mais completo do que a garrafeira do Cimas).

As entradas nos monumentos são gratuitas e os museus baratos: pelo menos o do Âmbar, e é pequeno como todos os museus deveriam ser.

Os dinamarqueses andam pela chuva como nós estendemos a toalha na praia. Os mais picuinhas abrem o chapéu. Chinelos, bicicletas, calções e mini-saias a chover a cântaros. Contrastes.

Christiania, um mundo de ganzas, hippies e javardeira que, passada a fronteira do marginal, se tornou um ícone.

Quarta-feira a navegar pela história de várias épocas

As vilas medievais da Europa central e do norte como Roskilde… é no contraste entre o hábito e a novidade, e não somente na beleza intrínseca do que vemos, que encontramos dentro de nós aquele lugar onde nos admiramos. No Museu Viking o melhor espaço é o lounge onde, em silêncio, observamos a clareira de água que dá para o Báltico (ou para o Mar do Norte?) e que me lembra os lagos isolados que servem de cenário aos crimes no cinema (penso n’A Dama do Lago de Chandler). Há qualquer coisa com o sentir em silêncio o mar com ares de lago…

Navegar, remar, velejar: uma experiência.

Em tempo de férias, o andar pela rua é diferente do de todos os dias: a cabeça levantada para observar e o corpo relaxado sobre os passos que o balançam.

Nunca antes estive tão a norte.

O Tivoli embala-nos na magia de uma viagem ao passado, um parque de diversões no centro de Copenhaga onde o cair da noite se confunde com os sons e as luzes de décadas, as décadas em que estas atracções faziam as delícias da geração dos meus pais ou dos meus avós. Uma experiência sem preço.

Roskilde e o mais belo cenário.

Quinta-feira e o regresso da chuva ou a sorte que nós temos

Uma hora a passear de barco pelos canais de Copenhaga mostrou-me como somos privilegiados. Ver a cidade de outra prespectiva é visitar outro lugar; é como percorrer uma estrada em sentido contrário.

O telhado inclinado da incineradora é uma pista de ski no Inverno e a bandeira da Dinamarca é a mais antiga do mundo (faz este ano oitocentos anos): foi esta toda a cultura que adquiri a navegar pela cidade.

O café-expresso é tão amargo que voltei a disfrutar do prazer de beber um café de filtro depois de o deixar arrefecer uns minutos ao frio de uma esplanada.

O único museu que me interessava em Copenhaga, o Museu Erótico, fechou em 2009: cheguei dez anos atrasado! No entanto, o Museu da Guerra valeu a pena. Não é bem a mesma coisa mas também nos deu um certo prazer. A Torre Redonda foi uma agradável surpresa com que nos cruzámos a caminho do almoço.

À tarde voltou a chuva e a noite terminou novamente no concerto da Pride Week com uma irritante chuva de Agosto… uma onda de calor na Europa que dura o Verão inteiro e tínhamos que acertar na semana invernosa!

No Tivoli está aquela magia de viajar no tempo. Talvez por não esperar se converteu num dos lugares mais memoráveis.

Sexta-feira – Um café em Malmo

A ponte sobre o Báltico por onde deslizámos no comboio, de Copenhaga para Malmo, compõe uma viagem bonita.

Os parques que a chuva não nos deixou ver em Copenhaga, visitámo-los em Malmo. E que ideia esta de fazer de um cemitério um bonito jardim onde se descansa, almoça, lê e brinca! O Vítor foi para a sauna enquanto eu, a Patrícia e a Amélia explorámos a cidade, mais barata do que Copenhaga, e que me trouxe o café mais “só me apetece desfrutar este instante” de toda a viagem até ao momento.

Também por Malmo circulam bicicletas com o habitáculo à frente: uma espécie de side car da II Guerra em jeitos de front car que tanto transporta as compras do supermercado como os bebés.

O moinho e os parques em torno da ilha do Castelo de Malmo são fantásticos, tal como o Slottsträdgardens Kafé. Chamar-lhe Castelo é um manifesto acto de boa vontade.

Hoje foi a noite das Drags da Pride Week mas o espírito já não estava para grandes festas.

Tal como em Copenhaga, também Malmo tem zonas serpenteadas por canais.

Ensinamentos desta viagem: Nem as dinamarquesas são tão giras quanto a ideia que delas eu fazia aqui no Sul, nem Copenhaga é uma cidade tão mais limpa do que Lisboa.

Conclusão: A famosa felicidade dinamarquesa – Hygge – nem sempre se aplica aos países latinos, do Sul, que têm uma matriz histórica, cultural e social muito distinta da dos países nórdicos. Tentar colar em Portugal o que me parece ser uma felicidade insipida, dificilmente teria sucesso. Eles que fiquem com o Hygge que nos por cá ficamos com o vinho, o chouriço e o queijo, o bom tempo e as esplanadas ao fim da tarde em qualquer altura do ano.

Eu, o Vitor, a Patrícia e a Amélia.

Copenhaga (o último dia foi escrito em Lisboa), de 13 a 17 de Agosto de 2019

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: