+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Como fugir d'”O Deserto dos Tártaros”?

Diversos são os motivos que levam uma obra a deixar a sua marca. O modo como nos identificamos com o que ela nos oferece parece-me aquele capaz de deixar uma impressão mais profunda.

A leitura de O Deserto dos Tártaros foi-me contagiando sorrateiramente à medida que eu esperava que algo acontecesse e esse algo… não vinha. Na altura, sem perceber porquê, não conseguia deixar o livro, na esperança de que o jovem aspirante Giovanni Drogo pudesse ver concretizadas as suas aspirações.

Estava em 2015 e lembro-me que foi no Festival de Paredes de Coura que o livro me agarrou (há uma fotografia perdida na internet onde estou sentado na relva, com o David e a Margarida a meu lado, a ler o livro enquanto esperávamos pelo inicio dos concertos).

Na história, um jovem militar é destacado para um forte numa montanha na orla de um deserto onde a guarnição espera a invasão dos Tártaros. O tempo vai passando e ele vai adiando a saída do quartel, ancorado na crença de que algo grandioso – a invasão – acontecerá em breve. O tempo vai passando… e a vida vai passando… e os Tártaros não passam… e a vida vai-lhe passando… ao lado…

A sinopse não aguça o apetite de quem não leu o livro mas ela contém a mais fiel descrição do que ele trata se nos cingirmos à acção. No entanto, poucas são as obras que se fecham sobre os acontecimentos que relatam: há a prodigiosa escrita de Dino Buzzati que possui o mérito de esconder a sua mestria e há tudo o que vai para lá da acção… a mesma acção que não acontece. É também por isso que as palavras e a construção com que este “nada acontece” é preenchido só podem formar uma obra genial.

Ao longo dos meses seguintes, de cada vez que via o livro na estante do quarto lembrava-me do sentimento que me acompanhou na leitura, e destapava mais um pouco da razão pela qual ele me marcou tanto: reflecte o eterno adiamento de projectos na esperança de que, na imutabilidade, algo de grandioso me atinja sem que eu tome parte activa na luta pela sua concretização. É nesta familiarização que reside o principal motivo pelo qual gostei tanto d’O Deserto dos Tártaros. Contudo, sendo uma das obras-primas do séc. XX, não terá sido apenas pelo que o livro me disse a mim, pessoalmente, mas também pelo valor intrínseco da obra. Ainda assim, quando nos revemos, apropriamo-nos de algo que quem não se identifica não vê e isso não se explica, por mais palavras que eu gaste: sente-se.

O silêncio que me acompanhou durante a leitura formou parte da impressão que em mim ficou gravada. Porque O Deserto dos Tártaros conhece-se numa leitura silenciosa. O deserto é silêncio. O deserto que Drogo vê diariamente à sua frente a acenar com a miragem dos Tártaros é o que resta da sua vida, uma vida continuamente adiada… o deserto… onde nada acontece se não fizer acontecer. Por isso escrevi “na esperança de que (…) pudesse ver concretizadas as suas aspirações.” e não “na esperança de que (…) concretizasse as suas aspirações.”.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Jogar a dinheiro

Next Post

O impacto que causamos na vida dos outros

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next