CinemaCultura

Captain Marvel

Existe uma grande expectativa no sucesso de “Captain Marvel”. Não só é o primeiro filme com uma mulher no papel principal a ser feito no Marvel Cinematic Universe, mas também será a personagem principal de um franchise que irá entrar numa nova fase, após o próximo filme dos Vingadores. Carol Danvers (Brie Larson) tem sido designada a personagem mais forte do MCU e o grande reforço para a batalha final contra Thanos em “Avengers: Endgame”. Um fardo pesado que o filme carrega nos seus ombros com leveza, preferindo focar-se mais numa história íntima sobre identidade e descoberta do próprio poder pessoal.

Começamos por conhecê-la como Vers, uma amnésica guerreira da Força Estelar, uma equipa de elite dos Kree, e Brie Larson dá à futura Capitã Marvel, desde o primeiro minuto, uma forte sensação de carácter e personalidade, mesmo quando não se lembra de quem é. O seu crescimento ao longo do filme, desde que descobre que outrora fora Carol Danvers até que acaba por aceitar a sua antiga identidade, segue um caminho diferente do que é tradicionalmente utilizado pela Marvel para dar uma origem aos seus heróis. A história é construída em torno da revelação de que a vida de Carol lhe foi roubada e que tem de ser forte o suficiente para reconquistá-la.

Este tipo de narrativa pode parecer forçada, mas com a direcção de Anna Boden e Ryan Fleck, “Captain Marvel” voa a novas alturas. Está repleta de pequenos ajustes à fórmula MCU, reduzindo nos impulsos mais sarcásticos para dar lugar a uma história mais confiante, heroica e intrigante, que tem como pano de fundo a Guerra Kree-Skrull, um evento bem conhecido pelos leitores dos comics da Marvel. As referências ao resto do universo cinematográfico são bastantes, mas nunca em número suficiente para se tornarem distrativas, e até a forma como esta história se insere na grande narrativa que é o MCU é feita de pequenos pormenores que resultam bastante bem.

O filme não seria o mesmo sem a poderosa interpretação de Brie Larson, que é apoiada por um impressionante elenco secundário liderado por Samuel L. Jackson e Clark Gregg, que voltam a vestir a pele de Nick Fury e Phil Coulson, mas numa versão mais jovem, mais feliz dos agentes da S.H.I.E.L.D. que conhecemos. Neste cenário de 1995, Fury não é o cínico director de uma agência de espionagem preocupado com uma miríade de ameaças globais. Em vez disso, é um operacional que fica perplexo com a sequência de eventos em que se vê envolvido. É com ele que nos rimos mais, apesar de nunca perder as qualidades que fazem de Fury a personagem cativante que tanto adoramos.

Como Talos, comandante dos extraterrestres transmorfos Skulls, Ben Mendelsohn é tanto assustador como encantador e Annette Bening veste na perfeição um papel com uma complexa dualidade. Contudo, a MVP do filme é Lashanna Lynch, no papel da antiga melhor amiga de Carol, Maria Rambeau. É quem tem as melhores falas e tem arco narrativo muito bem construído, sendo a sua relação com Carol o que nos permite ter uma ligação emocional à história.

Apesar dos realizadores não terem nenhuma experiência na criação de um blockbuster, o filme não o demonstra em momento algum – com boas coreografias nas cenas de luta e efeitos especiais incríveis. A batalha final, então, é sensacional de se ver e tem um dos melhores finais mais gratificantes de todos os filmes da MCU.

Captain Marvel” não é tematicamente tão profunda como “Black Panther” ou tão excêntrico como “Guardians of the Galaxy”, mas é possivelmente o melhor exemplo actual da forma como a fórmula Marvel ainda consegue criar filmes com uma sincera exploração das suas personagens e uma história cativante. Este filme encaixa perfeitamente no tom de todos os filmes MCU já feitos, enquanto continua a ser uma história sobre alguém que tenta compreender os seus poderes e ultrapassar as limitações que os outros lhe colocam. Se “Captain Marvel” indica de alguma forma qual o caminho que o Marvel Cinematic Universe irá seguir de futuro, então, tenho a certeza de que esse mesmo futuro está em boas mãos.

Captain Marvel

Argumento - 80%
Interpretação - 95%
Efeitos Especiais - 90%
Produção - 85%

88%

A formula Marvel continua a funcionar e spoiler alert: também resulta muito bem com mulheres no papel principal

Tags

Miguel Arranhado

licenciado em ciências da linguagem, pela faculdade de letras da universidade de lisboa. editor no repórter sombra. amante das artes e da cultura. politólogo de sofá. curioso por natureza. fascinado pelas pessoas e pelo mundo. crítico. perfeccionista. maníaco por informação. criativo. e assim assim...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: