+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Branco em Agosto

Em Portugal, os casamentos em Agosto popularizaram-se por ser o mês das férias e permitirem que toda a família, mesmo a mais alargada, possam deles participar, nomeadamente os emigrantes.

Todavia, o casamento como hoje em dia o conhecemos, nem sempre assim foi.  A maior alteração verificou-se a partir do casamento da Rainha Vitória (1819-1901), com o Príncipe Alberto (1819-1861), em 1840. Na verdade, se até então as noivas não tinham por tradição usar branco nos seus vestidos, é esta Rainha que escolhe esta cor para o seu casamento, uma vez que pretendia que o vestido tivesse uma determinada renda, fabricada em Honiton, uma cidade do sudoeste britânico. Vitória populariza o uso do branco no vestido de noiva, favorecido pela circulação de gravuras do seu casamento.

Rainha Vitória
Rainha Vitória

As noivas dos grupos sociais mais favorecidos tendiam a escolher, até então, vestidos brocados, bordados a fio de prata, enquanto na Europa de Leste o vermelho era a cor mais usual, como ainda acontece em culturas orientais, como a hindu. Azul, amarelo e cores mais práticas como o preto, castanho, ou cinzento eram as habituais, até por questões de ordem prática, uma vez que os vestidos de noiva seriam posteriormente utilizados, sendo que aqueles que fossem brancos exigiam uma maior manutenção e cuidados de limpeza. Deste modo, a sua popularização deveu-se também ao facto de se tornarem um símbolo de status e de luxo, uma vez que demonstravam que a família da noiva era suficientemente rica para proporcionar-lhe a compra de um vestido que dificilmente seria usado em outra ocasião, à excepção da apresentação aos monarcas, cerimónia onde também o branco se vulgarizou.

Rainha Vitória
Rainha Vitória

Todavia, os vestidos brancos não eram apenas um símbolo de ostentação sumptuária, uma vez que se conotava a essa cor com a inocência e pureza, exigida à nubentes na Europa de então. Nesta divulgação, foi importante o papel desempenhado pelos livros de etiqueta que então circulavam, destinados à educação das crianças e adolescentes. graças também aos livros de etiqueta.

No final do século XIX, o vestido branco era o escolhido pelas elites europeias e norte-americanas, muito embora as classes médias só o tenha realmente adoptado até ao final da Segunda Guerra Mundial e só mais tarde é que passou a ser exclusivamente usado para essa cerimónia. Foi iguamente o período entre guerras que viu nascer nas colunas da imprensa periódica, colunas semanais dedicadas exclusivamente à organização de casamentos e aconselhamento às noivas, que permitiram igualmente a massificação do uso do branco nos vestidos.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Um bar a preto e branco

Next Post

O Conteúdo… Quem Quer?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Ameixadas e tomates.

– Ó Felismina, que tempos estranhos estes. –  Nunca os parapeitos destas janelas conheceram tanta conversa. – Em…

O jornalismo e a ciência

Uma especialização da divulgação científica que obedece a um determinado padrão, o da produção jornalística.…