+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

As Voltas de Ayrton Senna

Quando nasceu em São Paulo, a 21 de Março de 1960, ninguém poderia imaginar que se tornaria uma lenda. O segundo filho de Milton da Silva e Neide Senna da Silva aos 4 anos começava a conduzir o kart construído pelo seu pai e aos 13 anos já competia, muitas vezes corria com pilotos mais velhos e experientes. Havia algo especial em “Beco”.

Durante a sua carreira nos karts, somou vitórias e sucessos. Em 1977 e 1978, venceu o Campeonato Sul-Americano e foi campeão brasileiro por quatro vezes consecutivas (de 78 a 81). Em 1981, muda-se para Inglaterra e começa a sua curta carreira na Formula Ford 1600, vencendo 2 títulos britânicos, sendo que, no final da época, anunciou o abandono da categoria e voltou para o Brasil. Já no Brasil, aceita uma proposta que lhe foi feita e regressa a Inglaterra para correr na Formula Ford 2000, onde ganhou o título europeu e britânico vencendo 21 corridas num total de 27.

Em 1983, ingressa na Formula 3. Durante a primeira metade da temporada, domina e vence o Grande Prémio de Formula 3, em Macau, período durante o qual é convidado por Frank Williams para fazer o seu primeiro teste na Fórmula 1. No ano seguinte, junta-se à Formula 1 e, na equipa Toleman-Hart, estreia-se em Jacarepaguá, em Abril, no Grande Prémio do Brasil. É ao volante de um TG184 que, ao passar Niki Lauda e Alain Prost, faz o melhor resultado em pista molhada e conquista o primeiro pódio (2º lugar) da sua carreira em Formula 1, numa corrida num dia chuvoso no Mónaco. Neste ano, conquista também mais 2 pódios (3º lugar em Inglaterra e em Portugal). Com estas conquistas, a sua carreira na Toleman chega ao fim.

Em 1985, já na Lotus-Renault, conquista o seu 1º lugar no circuito do Estoril, no Grande Prémio de Portugal. Mais uma vez sobre uma chuva intensa, Senna volta a mostrar que era o rei da pista molhada, algo que muitos já tinham visto no Mónaco. Quando chovia, Senna tinha uma segurança que ninguém tinha visto antes, com os outros a parecerem pertencer a outra corrida. Neste ano, conquista também o Grande Prémio da Bélgica, dois segundos lugares na Áustria e no campeonato da Europa e mais dois terceiros lugares na Holanda e Itália, um ano brilhante, onde somou também sete pole positions. Nas duas seguintes temporadas, conquista um 4º lugar, no campeonato do mundo (1986), e um 3º lugar, em 1987.

1988 é o ano de Senna, assinara um contrato de três anos com a McLaren, onde já corria Alain Prost. Nesta altura, o piloto brasileiro somava quarenta e uma vitórias em Grandes Prémios. A dupla Prost-Senna, na McLaren-Honda, conseguiu vencer quinze das dezasseis provas da época. Depois da corrida em Monza, Itália, Senna põe o título em causa ao permitir que Berger vencesse a corrida. Eis que chega o dia de disputar o Grande Prémio do Japão, em Suzuka. Tanto Prost, como Senna tinham a possibilidade de vencer o título de Campeão do Mundo, mas, apesar do azar inicial (o motor foi-se abaixo na grelha de partida), este era o dia do brasileiro e, a 30 de Outubro de 1988, ao volante do McLaren MP4/4, Senna sagra-se Campeão do Mundo.

Na época de 89, com novos motores, a equipa da MacLaren inicia a nova temporada e a relação de Senna com Prost havia se deteriorado. Este episódio torna-se evidente, quando ainda no Brasil, na primeira corrida após um pacto de não ultrapassagem na primeira curva, a corrida é interrompida e, quando foi retomada, Senna ultrapassa Prost, que tinha iniciado a corrida em melhor posição. Este é o primeiro de vários incidentes entre os colegas de equipa, que culmina com a corrida do Japão, em que seguiam colados e Senna sabia que, para tirar o título das mãos de Prost, deveria ganhar esta corrida e a seguinte em Adelaide, Autrália. Em Suzuka, Senna faz algo incrível, numa chicane muito apertada, tenta ultrapassar Prost, numa situação em que o piloto francês tinha que escolher entre duas hipóteses:  travava e deixava Ayrton passar, ou embatia com o piloto brasileiro, provocando um acidente que comprometeria os dois. O francês a todos espantou, quando escolheu a segunda hipótese. Os carros dos dois chocaram, mas Senna continuou a corrida. A surpresa chegou no final da corrida, o paulista foi desclassificado, dando assim o título a Alain Prost.

A temporada seguinte inicia-se e Prost mudara-se para a Ferrari. Este ano foi bastante favorável a Ayrton Senna, mas, novamente no Japão, o mundo assiste a um dos episódios mais caricatos da história da modalidade. Depois do episódio do ano anterior, em que Senna sentiu-se injustiçado e prometeu que, em 1990, não deixaria o título escapar. O Ferrari de Prost arrancou bem e avançou para a primeira curva, nisto algo completamente inesperado acontece, o McLaren de Senna embateu na traseira do Ferrari, no momento em que Senna se sagrou campeão, na primeira volta. A corrida continuou e Senna na última curva cedeu  o comando da mesma a Berger seu colega de equipa, naquela que foi a sua primeira vitória pela equipa da McLaren.

Depois de longas negociações relativas ao contrato com a McLaren, Senna inicia a temporada de 1991. A Mansell-Williams-Renault apresentou-se muito forte, mas é Ayrton Senna da Silva que se sagra campeão, tonando-se o mais jovem tricampeão de Fórmula 1. Um record apenas batido em 2009, por Sebastian Vettel. No ano seguinte, ainda competindo com o motor Honda conquista um 4º lugar, no campeonato do Mundo. Em 1993, após a aliança McLaren-Ford, conquista um 2º lugar e, assim, termina o seu vinculo com a equipa.

Em 1994, havia imensa expectativa em relação ao piloto brasileiro que assinara com a Williams-Renault. Numa temporada complicada, para o piloto que havia de competir com o estreante Schumacher da Bennetton-Ford. Nas duas primeiras corridas da temporada, conquista duas pole positions (Brasil e São Marino). A terceira corrida desta época entra para os anais da história da Fórmula 1 escritas a sangue. Estávamos em Imola, Itália, no primeiro dia de testes, Rubens Barrichello tem um acidente e, no segundo dia, é Roland Ratzenberger que sofre um acidente e acaba por falecer no hospital. No autódromo Enzo e Dino Ferrari, um Senna de 34 anos estava no comando da corrida, a 300km/hora o carro FW16 da Williams-Renault embateu contra um muro, na curva Tamburello, um nome que desde então pesa nos ouvidos de quem o ouve. Foi um choque violentíssimo, a imagem de um Senna imóvel dentro do cockpit destruído abalou o mundo. Em seu auxilio, chegou a equipa médica que o tentou estabilizar, um helicóptero transportou-o para Bolonha e é do Hospital Maggiore que o mundo recebe a triste notícia de que o Rei do Mónaco (alcunha derivada às seis vitórias no circuito do principado) tinha partido.

A morte do homem marca o nascimento da lenda . O mundo estava de luto, principalmente o povo brasileiro. Todos choravam, sofriam, haviam perdido o piloto-herói. As cerimónias fúnebres ficarão para a história, os caças da força aérea brasileira a escoltarem o avião da Varig, que transportava o piloto para casa, as ruas de São Paulo cheias, as 48 horas na Assembleia Legislativa de São Paulo, em que milhares de pessoas se dirigiram para prestarem a sua última homenagem ao herói nacional. O Homem que em dez anos de carreira na Fórmula 1 trouxe orgulho e felicidade para a nação que agora tinha de encarar o luto. Senna era o homem que fazia esquecer os problemas, trazia alegria e esperança, tinha morrido.

Existe um paradoxo em Senna, o piloto do capacete amarelo de listas verde e azul, desenhado por Sid Mosca. O significado do capacete muito poderá dizer de uma das facetas do homem, o amarelo simboliza a juventude e as listas o movimento e a agressividade. Isto é algo que sempre mostrou nas pistas, a forma como em linha recta fazia uma dança com o carro, ou a agressividade com que conquistou o título de 90 eram típicas de um jovem. Contudo, por detrás do capacete existia outro homem, um jovem tímido, carinhoso, preocupado, crente no catolicismo e muito ligado à família. Vindo de uma família abastada, Ayrton Senna da Silva nunca foi indiferente à realidade para além das propriedades da família. Ele sabia como era o seu Brasil, ele conhecia a sua realidade. Em vida, o piloto fazia questão de o demonstrar ajudando inúmeras causas sociais no seu país, principalmente as crianças. Exemplo disso foi a criação do desenho animado Senninha. Após a sua morte, é revelado que deixara uma porção da sua fortuna para essas causas. Em 1994, a sua família cria o Instituto Ayrton Senna, que é presidido pela sua irmã  Vivianne, com o objectivo de, através da educação, capacitar os jovens e as crianças brasileiras. O trabalho desta organização não-governamental tem tido efeitos fantásticos, reconhecidos internacionalmente tanto pela UNESCO (2002), como pela OCDE (2012). Em 2013, foi assinado um protocolo com os criadores do jogo Gran Turismo e parte das vendas revertem para o Instituto.

Volvidos 20 anos daquele triste Domingo em que a Fórmula 1 mudou, a memória, o legado de Senna ainda vive. Aquele fatídico dia fez com que algumas alterações de segurança fossem feitas no desporto, desde o reforço de segurança nos cockpits dos carros, a alterações nos desenhos de alguns circuitos, incluindo Imola. Após a sua morte, inúmeras homenagens são feitas. Existem várias ruas e avenidas com o nome do piloto brasileiro no Brasil, em Portugal e em Inglaterra, por exemplo. Nas pistas, algumas têm o seu nome, como é o caso da Chicane Senna, em Adelaide, na Austrália, ou em Espanha, ou no Canadá. Em 2000, entrou para o Hall of Fame internacional do desporto motorizado.

Numa homenagem sentida feita pela BBC, o piloto britânico Lewis Hamilton conduziu o carro  com que Senna ganhou o seu primeiro título, em 1988. Em 2009, a Autosport convidou  217 pilotos no activo e reformados para que elegessem o melhor piloto de Fórmula 1 de todos os tempos e Senna foi o eleito. Neste ano, muitas foram as homenagens, pela primeira vez o Google dedicou um Doodle  a um piloto de Fórmula 1, para celebrar o seu 54º aniversário. No carnaval do Rio, a escola de samba Unidos da Tijuca desfilou no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, sobre o tema “Acelera Tijuca”, e arrecadou o tão desejado título. Em Abril, um avião da companhia aérea Azul Linhas Aéreas rebaptizou um dos seus aviões com o nome #sennasempre.

São inúmeras as homenagens a Ayrton Senna da Silva, o homem que mudou o desporto automóvel, estabelecendo recordes intemporais. Este homem conquistou três títulos, quarenta e quatro vitórias, oitenta pódios e 65 pole positions, isto numa carreira de 10 anos. Mais do que isto, ele conquistou o coração de milhões e para sempre será recordado. Nas palavras de Cesare Cremonini, na canção “Marmellata #25”, podemos perceber aquele que é o sentimento de milhões: “ah! da quando senna non corre più…non è più domenica”.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

The Stranglers, os Pais do Punk Rock

Next Post

Um país de ladrilho vidrado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Quinze anos de Desporto

Ao longo dos primeiros quinze anos deste novo milénio, os leitores tiveram a oportunidade de observar inúmeros…