+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

As Surpresas de Le Mans em 2015

Há quase um ano escrevi um artigo sobre Le Mans. Tentei explicar as dificuldades da prova e o objectivo da mesma. Falei dos acidentes e das curvas e contracurvas. Porém, a edição de 2015 foi algo fora do normal. Bateram-se recordes e a corrida foi a mais emocionante, desde a edição de 2009.

Na categoria de LMP1 (Le Mans Prototype 1), o escalão mais alto, havia 12 carros inscritos, 3 Audi R18 e-tron Quattro, 3 Porsche 919 Hybrid, 2 Toyota TS040 Hybrid e 3 Nissan GT-R LM Nismo. Os favoritos, por experiência, eram sem dúvida os Audi, vencedores de 13 das 15 últimas edições. Porém, Le Mans é conhecida por trocar as voltas ao que se espera. Nas sessões de treinos e nas qualificações, os Porsche mostraram as garras e dominaram, fazendo a pole position com um tempo canhão de 3:16:887 e também os segundos e terceiros lugares da linha de partida.

Quando começou a corrida o ritmo abrandou ligeiramente, para os 3:20, mas nem por isso ficou menos emocionante. Os Audi lutavam mano-a-mano com os Porsche e vice-versa, nunca havendo mais de 2 minutos de diferença entre os carros que lutavam pela primeira posição. Às 4:30 da manhã (14 horas e meia depois do inicio da corrida), o Porsche liderava com apenas 4 segundos de vantagem sobre o Audi. No entanto, a noite de Le Mans não perdoa e os Audi perderam alguma da proximidade. No final da corrida, o Audi melhor classificado (3º lugar) tinha apenas 2 volta de atraso para o melhor Porsche.

Porém, nem tudo foram tormentas para a Audi. Filipe Albuquerque, do Audi nº 9, bateu em duas voltas consecutivas o recorde de tempo da pista (algo de que nem toda a gente se pode gabar), apenas para ver o seu recorde batido por André Lotterer, do Audi nº 7, com um tempo canhão de 3:17:475.

Então e os Toyota e os Nissan? Os carros da Toyota, salvo apenas umas mudanças de carroçaria, eram exactamente os mesmos do ano passado e como tal tiveram algumas dificuldades em acompanhar os Porsche e Audi na frente da corrida, o que não quer dizer que não tenham feito uma boa corrida. Fizeram uma corrida exemplar sem dúvida e um sexto e oitavo lugares em Le Mans não é nada de se envergonhar. Os Nissan são uma história completamente diferente. O famoso sistema hibrido não conseguiu ser posto a funcionar, portanto, os três carros correram só com o motor de combustão interna, dando, logo de início, uma enorme desvantagem para a Nissan face aos seus concorrentes directos. Devido a isto, não se conseguiram qualificar (fizeram mais de 110% do tempo da pole position) para o início da prova, partindo no fim da categoria de LMP2. Dois dos Nissan não acabaram sequer a corrida, desistindo com problemas mecânicos. E o último Nissan não se classificou por não ter feito 70% (276) das voltas do primeiro classificado (395 voltas).

No geral, foi uma grande corrida com o duelo da Porsche com a Audi a deixar muitos fãs de Le Mans com água na boca para o próximo ano. É esperar para ver.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Voltamos ao mesmo

Next Post

O devastador desaparecimento dos grandes herbívoros

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Bravura no Desporto

2014 marca o centésimo aniversário da declaração de guerra da Grã-Bretanha à Alemanha. Eram 23 horas, a 4 de…

O Rugido de um Ferrari

Ferrari, o cavallino rampante de Maranello. Nenhuma marca é mais emblemática para o desporto automóvel, nem o…