Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaCultura

As línguas latinas

România é um nome vivo ainda, nos dias de hoje, e está ligado à comunidade de línguas derivadas do latim. Chama-se România Nova ás regiões que foram colonizadas pelos europeus a partir do século XVI e onde o português, o castelhano ou o francês continuam a ser falados. Por outro lado, onde já não se fala nenhuma língua românica, mas foi região de romanização, tem o nome de România Submersa.

Podemos considerar que a România actual seja dividida em várias áreas, segundo as suas afinidades linguísticas e geográficas, do seguinte modo:

Ibero-românica, que inclui as línguas e os dialectos peninsulares, excepto o basco e que se subdivide em: 

A) ocidental: galego e português

B) central: castelhano ou espanhol, com as variantes peninsulares e americanas

Os dialectos peninsulares estão ainda subdivididos em:

  • nordeste: navarro e aragonês
  • norte e noroeste: asturiano
  • centro: leonês e castelhano
  • centro-oeste: extremenho
  • sul: andaluz e murciano
  • ilhas: canário

Fora da península ibérica encontramos:

  • caribenho: Porto Rico, São Domingos e Cuba
  • centro-americano: México
  • sul-americano
  • espanhol das Filipinas
  • judeu-espanhol ou sefardita ou ladino

C) oriental: catalão ou catalá-valenciá

Divide-se em 4 grupos principais:

  • catalão-rossilhonense
  • valenciano
  • baleárico
  • algherense

Galo-românica, que inclui variantes do romanz falado na antiga Gália e onde são faladas 3 línguas diferentes.

A) francês ou langue d´oil que inclui os seguintes dialectos:

  • berrichon
  • pointevin
  • saintongeais
  • vendéen
  • normando
  • picardo
  • valão
  • loreno

B) provençal que inclui:

  • provençal antigo ou langue d´oc
  • mistralien
  • occitano

C) franco-provençal, que tem várias variantes com a ditongação do “á”

Reto-românica, que se encontram próximas geograficamente:

  • romansh
  • ladino
  • friulano

Italo-românica, agrupa os conjuntos de dialectos neolatinos falados na Itália e nas Ilhas da Córsega e da Sardenha que se subdividem em:

A) setentrional:

  • piemontês
  • lombardo
  • ligure
  • veneziano
  • emiliano

B) central:

  • manchigiano
  • toscano
  • corso
  • úmbrico
  • romano

C) meridional:

  • abruzzese
  • campaniano
  • apuliano
  • lucariano
  • calabrês
  • siciliano

Sardo, um dialecto considerado degenerado do italiano e subdivide-se em:

  • central ou logudonês
  • meridional ou campidanês
  • setentrional

Balcano-românica, que engloba duas línguas normalizadas:

  • romeno
  • moldavo – em caracteres cirílicos

     com os respectivos dialectos:

     – daco-romeno

     – megleno-romeno

     – macedo-romeno

     – istro-romeno

Na România Submersa, o latim não conseguiu dominar as línguas que estavam implantadas. As áreas de romanização insuficiente foram a Britannia, falando o anglo-normando, a Germania, a Panónia e Cartago e as línguas perdidas são o Dalmata e o Mocárabe.

Quanto ao latim, propriamente dito, pertence ao grupo indo-europeu onde se juntam outras famílias, como segue:

  • céltico – bretão, galês, escocês, irlandês
  • itálico – latim – português, castelhano, catalão, provençal, francês, franco-provençal. reto-românico, italiano, romeno, sardo
  • osco-umbro
  • grego
  • germânico – nórdico – islandês, dinamarquês, sueco, norueguês

                  – alto germânico – alemão

                  – baixo germânico – holandês e inglês

  • báltico- lituano
  • eslavo – russo, polaco, checo, búlgaro, servo-croata
  • indo-iraniano – persa

                     – sâncrito – romani, hindi, undu, bengalês, cingalês

  • arménio
  • albanês
  • hitita

Pensa-se que o indo-europeu teve as suas origens cerca de 5000 anos antes de Cristo, num povo localizado no sudeste da Rússia. Este povo iniciou uma deslocação para ocidente, em 3 vagas, que demoraram cerca de 1500 anos, vindo a fixar-se nas planícies do Báltico até ao Danúbio e aos Balcãs. depois as migrações continuaram e regressaram à origem. Mais tarde deu-se uma separação, em duas famílias que rumaram em sentidos diferentes: Índia e Europa Oriental.

Até chegar aos nossos tempos houve uma deslocação em várias direcções, o que permitiu a diferenciação e a individualização de várias línguas. Quanto ao latim, propriamente dito, será tema de um novo artigo pois aquilo que conhecemos hoje, sofreu várias “reviravoltas” até encontrar o seu caminho que nunca é definitivo. As línguas são dinâmicas, sofrem evoluções e os vocábulos populares, de estrato inferior, acabam por vingar sendo estes que permanecem na linguagem falada por todos.

Tags
Show More

Margarida Vale

A vida são vários dias que se querem diferentes e aliciantes. Cair e levantar são formas de estar. Há que renovar e ser sapiente. Viajar é saboroso, escrever é delicioso. Quem encontra a paz caminha ao lado da felicidade e essa está sempre a mudar de local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: