fbpx
CulturaLiteratura

As Chuvas Vieram

Mensagem para o António do fim da história:

Saudades de ler um romance comercial com qualidade, a maioria dos quais nasceu na época de ouro, entre as décadas de 20 e 50, da imaginação de autores como Daphne du Maurier, Somerset Maugham ou Stefan Zweig. A avaliar pelas primeiras 23 páginas (são 481), não te vais desiludir quando chegares ao fim: a forma que um autor encontra para fechar um livro é determinante, mas tenho fé em como este te vai encher o coração, tal como agora tens (tenho?) consciência do privilégio de estares sintonizado com a obra, de teres acertado no momento para agarrar o livro e mergulhar nele, deixando que viaje pela tua alma.

António V. Dias

Caparide, 30 de Dezembro de 2019

 

Uma vez mais, foi o Saldanha Bento quem me aconselhou As Chuvas Vieram e cedo descobri, após iniciar a leitura, que os bocadinhos de tempo no Zêzere com o café da manhã antes de entrar para o escritório iriam ser um prazer, tal como as horas de almoço, em que dava por mim a fazer de propósito para sair sozinho e não encontrar gente conhecida.

Encontrei-o por cinco euros na Feira do Livro de Lisboa em 2015. Levei-o num fim-de-semana para a Marinha Grande, onde tencionava começar a empreitada. A quarta página encontrava-se “colada”. Fui à cozinha e com uma faca, abri e continuei a leitura. À porta da página oito, não consegui entrar: novamente colada. Desta vez, fui buscar a faca e abri a página na sala. Por curiosidade, resolvi percorrer o livro: de quatro em quatro páginas estavam coladas… e eram 481!

Não vale a pena repetir aqui os palavrões nem o pânico que se apoderou de mim ante um fim-de-semana pela frente sem um livro para começar… levei mais de uma hora a cortar as páginas, ficando a obra dos Livros do Brasil “esfarrapada”

Quanto ao livro, as cores da Índia durante a presença britânica, a evangelização, as monções, o hinduísmo e as castas, a vibrante cidade imaginada de Rachinpor, e uma abertura que só de a reler já me deixa saudades:

Era a hora predilecta de Ransome. Sentado à varanda, bebericando o seu whisky, contemplava os jactos do Sol, que douravam de um último incêndio os frondosos banianes, a casa cinzento-amarelada, as buganvílias escarlates, antes de mergulhar no horizonte e deixar a região nas trevas.

As chuvas vieram e o mundo de aparências esvai-se com a enxurrada; na fronteira da morte, caiem as máscaras, afastam-se as convenções, religiões, países, e os membros de uma pequena comunidade vêem-se forçados a agarrar a condição de humanos para sobreviver à impiedosa força da natureza. Então, despidos dos constrangimentos, emergem as paixões… a mesma força, a mesma natureza.

A razão, porém, porque mais o amava era por saber – coisa que nunca teria imaginado – que ele era tão infeliz como ela própria.

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.