+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

António e Amélia

Se existem histórias de amor, das puras e duras, das verdadeiras e com provas de fogo, esta é uma delas e apenas os castos de coração terão arcaboiço para ouvir esta que, além de belíssima, é muito feroz e injusta.

António e Amélia são dois jovens que se conhecem e se apaixonam. Como qualquer casal, faz planos e este par, aparentemente vulgar, resulta naquilo que se pode chamar de companheirismo. Juntam os trapinhos e fazem o que muito bem entendem.

António já era viúvo, quando conheceu Amélia e a sua filha pequena, era o seu apoio. Contudo, nestas lides do amor nada se manda e o coração é soberano e ainda bem. Amélia era o mel que faltava e a luz que incendiava o caminho. A casa ficou cheia e outra menina também iluminava.

Que felicidade a de quem tem tantas mulheres, aqueles seres que sabem como se desdobrar e chegar a qualquer lugar. O rio que é a vida seguia no seu leito calmo mesmo que os remoinhos fizessem ficar com os pés gelados. O amor tudo superada e vence.

Nestes planos feitos de desejos e esperança, estão as promessas e uma delas  seria cuidar um do outro na saúde e na doença. No entanto, isso é dito por muitos e cumprido por poucos. Ninguém quer saber da dor, somente importa o amor e o estado de louca fantasia que este proporciona.

Viajam, cuidam do dia a dia e dos seus botões, das meninas que crescem e seguem os seus rumos e, sem que dessem por isso, envelhecem juntos em perfeita harmonia. Que saudável é viver assim. Só que a vida, aquilo que nos acontece a todos, pregou-lhes uma rasteira da mais safada.

Amélia fica doente e, depois da ronda de todos os exames, é-lhe diagnosticada esclerose lateral amiotrófica, a conhecida ELA, que tem a grande capacidade de roubar a qualidade de viver a todos os que dela sofrem. Uma ditadora.

Num curto espaço, somente três meses, Amélia perdeu a fala e tanto mais, mas continua a sorrir.  O seu semblante não se zanga. Ela sabe que António é o seu cuidador e cumpre a promessa que lhe fez há 50 anos. Uma tão grande integridade que mostra bem a fibra do homem.

A sua vida, agora, é cuidar da Amélia e fazer com que ela saiba como é amada. Ai o amor que faz perder a cabeça e prepara testes bem difíceis. E foi nesta casa que aterrou. Sou testemunha deste enorme e extraordinário amor. A Amélia continua a querer tudo a que tem direito, ou seja, a viver todos os seus momentos.

É por isso que, quando há caminhadas organizadas ou as outras iniciativas, a Amélia nunca falha nem o seu António. São unha com carne estes dois, e ela sorri sempre, como se fosse uma menina a quem o futuro acena. Uma rapariga que tem no seu namorado o maior apoio. Confia e ama uma mão que lhe faz festas suaves.

Ninguém sabe o que irá acontecer e a Amélia, mesmo estando consciente das suas limitações, faz as suas corridas na cadeirinha e a sorrir muito como se o vento lhe afastasse os cabelos e desse mais ânimo. O certo é que mostra tanta satisfação e apreço que a todos contagia. O António só pode ser um ser humano maravilhoso.

É bem sabido que nestas aventuras de doenças, eles, os homens, têm muita dificuldade em lidar com a dor e viram as costas por ser mais fácil. O António decidiu enfrentar os bois pela frente e segue seguro. Que me perdoem os que ficam, felizes e abençoados, mas os casos raros, contam-se com números bem pequenos.

Na verdade, é muito bonito escrever desta forma leve, mas, muito sinceramente, não consigo imaginar o choro que lhe vai na alma ao ver a sua amada Amélia a definhar dia a dia, a ver desaparecer a mulher que caminhava ao seu lado cheia de vigor e segurança.

Aceita-se ou luta-se? Cada um faz o que pode com aquilo que tem ou sabe. Este homem dá tudo de si. Enquanto a sua Amélia precisar dele, o seu anjo da guarda sem as asas nem a túnica, chamado António, estará a seu lado para lhe dar a mão. O nome do santo faz-lhe jus.

Que exemplo de dedicação e abnegação dá este tão sensível homem! A raiva não se vê, mas deve ser muita e resignação é a face que mostra. Faz das tripas um grande coração e certamente com muito carinho. Cada dia é mais um novo desafio, mas ele não vacila.

Compromisso é a palavra de honra de um ser humano e a verdade é só uma, a Humanidade reside aqui, nos olhos líquidos do António que mantém a Amélia, a sua menina que sorri com os olhos, perfeita e então, nessa altura, encanta os dois corações.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Quanto mais envelheço, menos amigos tenho.

Next Post

Jardim europeu ou selva africana? Sombras do passado colonial

Comments 1
  1. Só um grande AMOR de um HOMEM como o ANTÓNIO dá este resultado tão maravilhoso. Força Amigo e um ABRAÇO.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Pantera

Era um cão preto, grande e gordo que não tinha dono, mas era de todas as pessoas. O ar simpático e sorridente,…

Nações Desunidas

Existe um sonho antigo da humanidade, tão presente e constante quanto o da nossa própria história, a vontade de…