+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Aninhar a solidão

Pelas “épocas” da pandemia muito se falou de solidão. A sociedade estava muito atenta à possibilidade que, sobretudo os idosos, mas também outras pessoas que vivessem sozinhas, poderiam sentir.

O que não costuma ser dito (e, entretanto, também já ninguém fala de que vive sozinho) é que a solidão é um problema pré e pós-pandemia, que chega a todas as idades e estratos sociais. A solidão é um problema social e também cultural, já que culturas mais individualistas podem reforçar esta tendência para o isolamento e consequente solidão.

Solidão é um conceito que pode representar muitas coisas, mas habitualmente, quando alguém nos confessa que sente solidão, esta associa-se a sentimentos dolorosos e ou até abandónicos.

Já foi, ou é, algumas destas pessoas? Provavelmente, sim. A esse sentimento duradouro de solidão podem estar associados muitos fatores, como por exemplo, dificuldades na interação com os outros ou uma infância solitária, e pode gerar grande angústia em tarefas rotineiras simples, como ir ao supermercado.

O sentimento de solidão parte, entre outras coisas, da comparação que fazemos com outras pessoas e a sua vida social, com diferentes fases de vida. Diga-se de passagem, que as redes sociais fomentam muito estes sentimentos, porque permitem um acesso imediato à vida que outras pessoas, algumas de realidades tão diferentes, escolhem publicar sobre si. Isto pode alimentar as nossas expectativas acerca do que “deveria”, do que “era suposto” que fosse a nossa vida, frustrando-nos e, eventualmente, entristecendo-nos.

O outro lado da solidão

Os efeitos positivos da solidão? Ninguém fala deles? Existem e notá-los depende também desta comparação, ou melhor, da capacidade de colocarmos a tendência para a comparação em suspenso. Se nos focarmo-nos em nós e no nosso momento, a frustração e o abatimento que a solidão pode trazer podem reduzir-se. A solidão também é espaço e pensar nela como uma oportunidade de escolher como o preencher também é uma opção para melhorar o bem-estar.

Esse espaço pode ser preenchido pela curiosidade e pela constatação de que na solidão nem tudo é arriscado ou perigoso. Permite também planear “visitas de estudo” ao mundo fora de nós próprios e das nossas ideias e perspetivas limitadas. Permite também pensar sobre os sentimentos de não-pertença e desintegração, que a solidão faz sentir e abrirmo-nos à possibilidade de melhorarmos a nossa forma de estar com os outros.

Dizia uma certa avó que “a solidão é um ninho” e eis senão quando descobri que esta frase vem de um provérbio curdo:  “a solidão é um ninho para os pensamentos”. Ela pode ser, de facto, um espaço muito pequenino, onde não cabe mais nada ou mais ninguém. Contudo, a solidão pode também ser um ninho, enquanto espaço que aconchega a vida, até que esta esteja preparada para conquistar o mundo.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico

Share this article
Shareable URL
Prev Post

As Emoções que vivem em nós

Next Post

Pequenas felicidades

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A pegada digital

O potencial das redes sociais é inquestionável, todos as utilizamos e todos percebemos a sua utilidade. Da mesma…

Escravos a cada clique

A Facebook Inc. continua a aumentar as suas receitas. E os utilizadores são a principal razão do lucro. O…